27.gifMeu nome é Ana Paula Pereira Cardoso. Sou professora há 14 anos na rede municipal de Alvorada.
Atualmente trabalho com 3ª série no turno da tarde e 5ª a 8ª séire no turno da manhã, como substituta.
Sou uma pessoa comunicativa, gosto de manifestar minha opinião sobre diversos assuntos,
principalmente sobre Educação.
Gosto muito do que faço. Ser professora é muito gratificante, pois presenciamos o crescimento do nosso aluno diariamente.(04/12)
Aprendi muito no magistério. Quando fui para a sala de aula, tive que aprender muito mais, isto é, saber colocar as teorias na prática e resolver alguns problemas que não nos ensinaram a fórmula. Foi um momento muito difícel, pois a vivência e a prática pedagógica nos ajudam muito no dia a dia da sala de aula. E para quem está começando, então, nem se fala. Precisamos aliar prática e teoria para realizarmos um bom trabalho.
Como diz Paulo Freire:"A reflexão crítica sobre a prática se torna uma exigência da relação Teoria/Prática sem a qual a teoria pode ir virando blablablá e a prática, ativismo."
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. Capítulo 1: Não há docência sem discência. Página 24. São Paulo: Paz e Terra, 2001.(06/12)

Lendo mais um pouco de Paulo Freire, capítulo 1(1.2- Ensinar exige pesquisa), Pedagogia do Oprimido, que diz: Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino. Pesquiso para conhecer o que não ainda conheço e comunicar ou anunciar a novidade. Gosto muito de faer meus alunos pesquisar, algo leve e gostoso do interesse deles, acho importante a pesquisa na sala de aula, lendo esta passagem do Paulo Freire me identifiquei bastante. Essa passagem me faz lembrar a Copa do Mundo desse ano, 2006, onde os alunos estavam empolgadíssimos com o futebol. Lancei um desafio para minha turma de 3ª série, onde os dividi em grupo e cada grupo foi pesquisar um país participante da copa. teriam que pesquisar dados como: país, capital, costumes, língua falada, a moeda, e outros. Desenharam a bandeira, enfim, o trabalho ficou bastante rico. Após cada grupo anunciou a pesquisa, novidade, ao grande grupo e fizemos uma exposição para a escola. Deixei uma frase para reflexão na sala 2: Como é importante pesquisar para conhecer e anunciar a novidade.(11/12)
external image downloads.jpg
Hoje vou contribuir mais um pouco. Capítulo 3.2" Ensinar exige comprometimento" de Paulo Freire (Pedagogia da Autonomia). Concordo com Paulo Freire, quado di que esnsinar exige comprometimento. "Não posso ser professor sem me pôr diante dos alunos, agindo de maneira natural para servir de exemplo. Impor limites com a capacidade de não falhar com a verdade" Ser professor é gostar daquilo que faz, é ter responsabilidade com o educando, é ter comprometimento, é vestir a camiseta, é ser sincero. Devemos sempre mostrar o certo para nossos alunos, não mentir, mostrar os valores, isto é, quando o aluno perguntar algo que não sabemos, devemos responder: não sei, não tenho certeza da resposta correta, irei pesquisar e amanhã te direi. Mas deve chegar no outro dia e dar o retorno para que o aluno veja que você se interessou e buscou a solução. outra maneira, também, é lançar para a turma e todos pesquisar e no outro dia anunciar a novidade (comentário anterior). Todos pesquisam. Este gesto mostra respeito para com o aluno. (13/12)
livros3.jpg


ESTOU MUITO CHATEADA, POIS APAGARAM MEU COMENTÁRIO REFERENTE AO CAPÍTULO "ENSINAR EXIGE ALEGRIA E ESPERANÇA." nÃO SEI QUEM FOI, TINHA ATÉ UM DESENHO DA TURMA DO POOH, TODOS ALEGRES. SACANAGEM!!!!(19/12)

Vamos novamente.Hoje iria falar somente do capítulo "Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível", mas devido o apagão na minha página falarei novamente sobre o capítulo"Ensinar exige alegria e esperança."
Ensinar exige muita alegria sim, pois sem ela não se anda pra frente, não se tem esperança, esperança esta que jamais pode vir unida a um discurso fatalista. "Mas se foi assim, é triste, o que fazer.". pois este discurso não aceita a esperança, além de ser fatalista ele também é conformista. Esta fala fatalista está nas classes dominantes que desejam que o povo mate a sua esperança e que enxergue o acontecimento dos fatos com conformismo e sem questionar nada, não toma partido, não vai a luta, permanece inerte perante as injustiças. Vamos passar alegria e esperança aos nossos alunos.

pooh.jpg
Falando sobre o capítulo "Ensinar exige convicção de que a mudança é possível", Paulo Freire nos diz que o "O mundo não é. O mundo está sendo.", e neste mundo que Freire nos revela podemos e devemos intervir. Mas como nele intervir? Aprendendo sobre ele,apreendendo-o e re-inventando-o, não somos objetos da sua história, mas sujeitos da mesma. Mudar é difícil, mas é possível. Quer trabalhemos na educação, na evangelização, na área da saúde, devemos "... desafiar os grupos populares para que percebam, em termos críticos, a violência e a profunda injustiça que caracterizam sua situação concreta." Devemos fazer com que entendam que a sua miséria não é uma vontade de Deus, um destino certo, algo que não pode ser mudado. Segundo Freire o professor deve ler a leitura do mundo que os grupos sociais com quem trabalha estão inseridos e ter sempre em mente que a leitura que a "leitura do mundo" precede a "leitura da palavra". Os grupos dominantes injetam nos oprimidos a responsabilidade por assim serem. O educador "leitor do mundo" onde os seus alunos estão inseridos deve e tem fundamentalmente um papel singular no qual participa do processo de expulsão do opressor de dentro do oprimido. (19/12)
lizii_passaro.gifj0320116.gif