crianças.gifnoel.gifnoel.gifabracao_urso.gifEu sou Cleide Maria da Silva. Moro e trabalho no município de São Leopoldo.Sou professora há vinte e seis anos. Trabalho sessenta horas na Escola Municipal de Ensino Fundamental Zaira Hauschild. No turno da manhã sou professora substituta, no turno da tarde tenho uma segunda série e no turno da noite trabalho na Educação de Jovens e Adultos (EJA), com a Etapa II, que corresponde a terceira e quarta série.
Nestes anos todos como professora, sempre procurei melhorar a minha maneira de trabalhar, fazendo cursos, seminários, congressos. Iniciei Pedagogia na Unisinos, mas a falta de tempo e de grana, me fizeram desistir.
Hoje sou muito feliz por ser aluna do curso de Pedagogia a distância da Ufrgs.
Tem sido difícil e cansativo realizar todas as atividades, mas tenho certeza que valerá a pena. O resultado não fará bem somente para mim, mas também para todos os alunos que por mim passarem.
Se antes eu já buscava me aperfeiçoar, agora procuro colocar em prática tudo que estou aprendendo com os trabalhos e pesquisas. Tem sido muito bom para mim, mas principalmente para minha vida profissional, pois são visíveis as mudanças.
10717.jpg
Minha participação na Sala - Necessidades especiais


Oi, colegas! Sou Cleide do Pólo de São Leopoldo. Logo que li o nome desta sala, tratei de entrar depressa. Este é o terceiro ano que trabalho com uma aluna com necessidades especiais (síndrome de down). Quando entrei na escola em 2004, ela foi "incluída" na minha turma. Não preciso dizer da minha angústia, medo, e tudo mais que puderem imaginar. Apesar de ter muitos anos de magistério, nunca havia trabalhado com este tipo de aluno. A menina vinha de outra escola, promovida para a segunda série. Reconhecia as letras do alfabeto, mas não lia nem escrevia nada. Sem nenhum conhecimento sobre o assunto, fui buscar informações. Li muito, fiz alguns cursos, conversei com mães que tinham filhos com a mesma necessidade, que participavam de um grupo em Novo Hamburgo. Solicitei à direção e supervisão da época que a menina fosse colocada nos estudos de recuperação e a resposta que tive foi que não adiantaria, que ela não aprenderia. Não me conformei com esta resposta e acomodação e "parti para a luta": eu iria alfabetizá-la. Hoje ela tem 15 anos, está aprovada para a terceira série. Lê e escreve, interpreta pequenos textos, realiza cálculos de adição e subtração simples. Não acompanha os "conteúdos" da segunda série, mas está pronta para seguir em frente. Claro que precisará de dedicação e acompanhamento da próxima professora, mas para mim e principalmente para ela, está sendo uma grande vitória. Não foi fácil, pois trabalhar com ela e mais 28 alunos foi complicado. Não concordo com a inclusão desta maneira. A escola precisa ter estrutura para isso e os professores subsídios para poderem trabalhar. Muito orgulhosa considero o mérito todo meu e dela, pois nunca recebi nenhum tipo de ajuda para que ela chegasse até onde chegou. Espero que daqui para frente ela cresça sempre mais, e encontre professores dispostos a ajudá-la. Tenho um amor muito especial por ela e ela já faz parte de mim. Nunca devemos desistir de nossos sonhos. Um abraço...

Participação na sala 02

Realmente ler Paulo Freire nos faz ver as coisas de outro jeito!!! Segundo ele, o educador deve ser um provocador de situações, um animador cultural, onde todos aprendem em comunhão. (Isto me lembra o filme Ser e Ter, que olhei e recomendo). Ainda segundo ele, ninguém ensina ninguém e as pessoas não aprendem sozinhas (e isto é visível na Educação de Jovens e Adultos, principalmente). Ler Paulo Freire desacomoda e nos faz pensar: o que estamos fazendo com nossos alunos? Transmitindo conteúdos? Tornando-os cidadãos, libertos das desigualdes e opressões? Estamos preocupados em prepará-los para o mundo? Estamos respeitando nosso aluno,na conquista de sua autonomia? Muita coisa

para pensar... concordam comigo? Cleide


paulo1.jpg

Também acredito que se queremos formar cidadãos críticos, conscientes, pensantes,responsáveis e tudo mais aquilo que desejamos para nossos alunos, devemos ser agentes transformadores. Devemos ser exemplos para nossos alunos, não aceitando tudo o que vem de cima passivamente. Devemos questionar, e exigir que nossa opinião seja ouvida. Enquanto leis vierem de cima, elaboradas por um grupo que não conhece a realidade, a educação não terá a qualidade que almejamos.

noel.gifOi Viviane, quero te dizer que um professor não precisa ser um anjo para trabalhar com crianças com necessidades especias.Ele precisa é ter amor no coração, carinho, sensibilidade e realmente querer enfrentar o desafio...porque é um desafio...Depois de três anos alfabetizando minha aluna com síndrome de dowm, estou entregando-a a outro professor...não sei como será...pois amo esta menina como se fosse minha filha. O amor que sentimos uma pela outra, é muito grande e tenho medo do que acontecerá daqui por diante...Acredito no ser humano...espero que ela encontre no seu caminho alguém que tenha muito amor para dar, senão...tudo o que foi realizado até agora ficará no tempo...Minha menina precisa de muito carinho e atenção. Isto eu aprendi...ela me ensinou...Também sou do pólo de São Leopoldo e espero te conhecer para que possamos conversar sobre tudo isso. Deus nos dá o fardo conforme podemos carrregar. As forças a gente encontra pelo caminho...tendo amor no coração....Um abraço,Cleide

bonequinhos.gif
Estou adorando o papo deste bar. Realmente aqui a conversa rola descontraída.
-Filó manda uma ceva que o calor tá de matar...bem gelada...
Ah!!! Ia me esquecendo....SAUDAÇÕES GREMISTAS aos colorados....


Sandra, o desafio não é fácil, mas é recompensador. Levei três anos para alfabetizar a minha aluna com Down. Mas hoje me sinto muito feliz, ao vê-la indo para a terceira série. Coloco a disposição a minha pequena experiência. Um abraço, Cleide


Isto aqui tá bom demais...
Filó!!!! Uma ceva bem gelada!!!!
Também quero elogiar os professores que organizaram a nossa festa! Foi MIL!!!!!
A idéia de outra em março é muito boa. Estou dentro!!!
Muito obrigada, está bem geladinha.....mas terminou....
Mais uma por favor.....


  1. Poderemos mudar a realidade, no momento que nos posicionarmos quanto ao que vem de cima. Ao sermos exemplos para nossos alunos. Mostrando que somos capazes de mudar realidades que chegam prontas até nós. Se não ensinarmos isso aos nossos alunos, nunca seremos agentes transformadores.

002l.gifParticipar da sala de artes foi genial. Pensei que era uma coisa, mas é outra bem diferente. Parabéns para quem idealizou. Vou voltar mais vezes, com certeza.

O bar da Filó também está muito legal...A ceva lá é bem gelada.....