013l.gif


Sou Elisângela, uma mulher que luta todos os dias. Se não fosse assim não seria eu. Literalmente sou a capitã do meu barco e saio em busca de ilhas desconhecidas permanentemente. Sou mãe de 3 meninas , hoje com 8, 10 e 14 anos. Estado civil, separada, porque não me conformo em ficar em terra segura se não estou feliz . Prefiro ter minha identidade em alto mar, à perdê-la com segurança atracada em um porto qualquer.

Sou professora, tenho 40 horas em uma escola estadual em Cachoeirinha (ESCOLA MÁRIO QUINTANA).
Hoje sei que é minha vocação e eu não seria outra coisa se não educadora. Sou apaixonada pelo que faço e devido a todas as dificuldades para poder finalmente exercer meu trabalho que se confunde com meu ser indivíduo, não vejo como um fardo as tarefas que tenho que desempenhar. Quando muitas de minhas colegas estão reclamando de algumas coisa, dou Graças a Deus pelo muito que tenho que fazer, por que ser professora, sou eu.

Estou todos os dias superando meus limites e fico cada vez mais maravilhada em descobrir que não ha limites quando nos
propomos a superá-los sejam qual forem.Vivo apaixonadamente, vivo a dar Graças à todo momento por que a ILHA DESCONHACIDA DO CONHECIMENTO é sempre um ponto de chegada e eternamente o ponto de partida.
Tenho medos sim. Meu maior medo é não estar em busca da ILHA DESCONHECIDA. Às vezes descanço em terras firmes , mas tão somente o tempo necessário para apreciar a paisagem. Procuro fazer do meu barco uma embarcação que estejas segura para à navegação,que seja apto para a rota que me proponho a seguir.
1350_animado-754085-flo.gif
Tivemos a oportunidade de ler Paulo Freire , refletir sobre o papel da educação e sua capacidade de intervenção e transformação da sociedade.
A educação como fim de intervir, como prática da libertação. Indivíduos analfabetos são alienados à libertação. Não possuem uma visão crítica da sociedade, sendo assim não possuem a prática de intervir.
Paulo Freire nos da às diretrizes da educação quando defende que “A educação em seu conteúdo”, seus programas e seus métodos necessitam estar adaptada ao fim que per cegue , permitindo ao homem chegar a ser sujeito, construir-se como pessoa, transformar o mundo, estabelecer com outros homens relação de reciprocidade, fazer a cultura e a história.

Estudando os textos percebi com emoção que sou professora preocupada e agente da práxis ação-reflexão.

Quando “meus” alunos me questionam o como fazer isso ou aquilo, conduzo-os a descobrir como eles pensam ser a forma, partindo do que eles sabem , buscam novos conhecimentos, escolhem caminhos, responsabilizam-se pelos objetivos alcançados, tornam-se agentes sujeitos do ser, enquanto indivíduos transformadores e críticos.

Enquanto estudo, as atividades e textos propostos por este curso de PEAD, descobrem-me enquanto professora que sou em uma relação horizontal entre educador-aluno busco suportes e ferramentas que institucionalizam sujeito-sujeito na prática educativa e na relação homem-mundo.

Através da teoria que busco, vou construindo minha identidade enquanto professor, tendo consciência das deficiências na educação tornando-me acinte das mudanças necessárias criando e recriando novas modalidades de ver, de ser, de agir no micro e no macro contexto social.

A pergunta é: _Por que, tendo consciência do papel frente ao desafio de educar nos prostramos de forma estagnada , quando muito, cumprindo objetivos decididos por especialistas afastados da realidade cotidiana da vida em sala de aula?

Esta postura passa aos educandos a idéia de que “não há mais jeito, não é possível haver mudanças porque somos incapazes de mudar e transformar a realidade”.

Ninguém, portanto faz algo que possa mudar essa visão que, frustra e decepciona.

Nem o professor, nem o aluno vêem a escola como ativa na ação cociente crítica e transformadora.

Acredito que muitos professores querem transformar a prática educativa com a finalidade de intervir para a libertação, mas muitas vezes falta-lhe a resposta de “o que fazer e como fazer?” não tem a compreensão teórica para então, preparados, colocar em prática a teoria como objeto transformador,

Como falar e agir em liberdade nas salas de aulas, quando a própria escola esta cheia de grades e cadeados, aonde o ir e vir no espaço em que deveria constituir o ser livre, não permite ultrapassar as barreiras físicas e intelectuais.

Este será nosso maior desafio primeiro, na caminhada que estamos iniciando em busca da nossa formação acadêmica. Ultrapassar não basta necessário é, abrir caminhos.