Lendo o livro de Paulo Freire "Pedagogia da Autonomia" já li outras vezes mas sempre que leio sinto um ânimo um acalento , uma vontade de fazer tudo o que ele diz. Este livro faz a gente repensar as nossas práticas , quando ele fala que "ensinar não é transferir conhecimento" mas criar as possibilidades para a sua própria
produção ou a sua construção. Quando entro na sala de aula devo estar sendo um ser aberto a indagações, à curiosidade, às perguntas dos alunos, as suas inibições; um ser crítico e inquiridor, inquieto em face da tarefa que tenho - a de ensinar e não a de transferir conhecimento.