Colega! Não apague o texto desta página. Se apagou sem querer, não SALVE, clique em CANCEL e recomece. O ideal é escrever sua contribuição no bloco de notas e, depois, editar esta página e colar.
Coloque sua contribuição no final da página.
Procure seguir a conversa do grupo!

Bom pessoal! Vamos continuar a conversa...

Aqui quem fala é Beatriz Leal Lopes

Oi pessoal entrei aqui mas nem sei se estou no caminho certo! São tantos os caminhos, só espero que os professores me encontrem neles e me acudam se eu estiver indo para algum indevido. Pessoal, sei que alguns professores não puderam ir à festa de calouros e isto me faz pensar naquilo que lutamos tanto que é o nosso tempo. E já algumas vezes ouvi algum dizer coisas que nos fizeram pensar até em desistir, pois parecia que éramos incapazes pois todos diziam que trabalham 60 horas e em vários lugares, , que também têm filhos, marido, etc . e isto me fez algumas vezes me sentir uma perdedora, pois sempre batalhei muito pelas coisas e batalho, e como nem sempre consigo realizar tudo a contento e muitas vezes nem tão a tempo. Mas fiquei feliz em ver que somos todos iguais e todos temos os nossos limites. E isto é na minha opinião ser professora, saber nos colocarmos no lugar de nossos alunos e com humildade termos a coragem de dizer que deixamos de fazer algo, por não poder, por tempo ou outro motivo qualquer. Parabéns a todos que colaboraram de algum modo com a festa. Foi muito boa. Já coloquei algumas fotos no meu blog. Até mais colegas. Espero voces na minha página.

cosc.negra_103.jpg Beatriz
Beatriz, temos muitos caminhos para trilhar. Isso é só o começo. Já deu para sentirmos o que virá pela frente... Todos temos nosso tempo, também passo muitas dificuldades com ele! Mas o importante é que continuemos no barco. Nada de sair fora. Aqui será melhor do que na água, até porque não sei nadar, e aprender a nadar lá, não dará tempo, me afogarei antes. Aqui tudo pode ser refeito. Interessante passarmos por esses contratempos, e nos colocarmos no lugar de nossos alunos. Seremos mais tolerantes agora.Paulo Freire nos presenteia com essa fala: "quando entro na sala de aula devo estar sendo um ser aberto..." Stela Maris Dias Arroio do Sal TC

É colega, realmente este curso tem nos feito parar para refletir.
Refletir sobre coisas que não estavamos habituadas, justamente devido a esta correria que virou nossas vidas, não por causa do curso, pois ele a recém começou, tenho que admitir que já vivia correndo antes. Agora estamos nós novamente na posição de alunos, é muito confuso, não conseguimos fazer silêncio nas aulas presenciais, por exemplo, mas cobramos tanto de nossos alunos em sala de aula, para que nos ouçam, que prestem atenção, pois é muito importante o que temos para passar, ou simplismente porque estamos cansadas e queremos alguns minutos de sossego. É hora de olharmos com novos olhos para nossos alunos, percebendo que eles tem limitações como as nossas, tem anseios, dúvidas, angústias, medos, assim como todo ser humano, querendo ser ouvido e amado.
Adriana Fraga

Olá pessoal!
Como muitas já comentaram, tivemos e ainda continuamos tendo um pouco de dificuldades com as novas tecnologias que estão bem presentes neste curso, mas esta é uma etapa muito importante em que nós professores estamos tendo oportunidade de vivenciar, pois devemos passar por estas etapas para que possamos estar atualizadas, podendo dar continuidade do que nós estamos aprendendo com nossos alunos, como diz Paulo Freire: “... A educação é um processo permanente, no qual estamos nos educando continuamente...”
Fazemos um curso diferenciado, dos demais que são presenciais, na minha concepção nesta modalidade que nós estamos inseridas, faz com que cada uma de nós tenha que buscar ainda mais informações, conhecimentos, se atualizar cada vez mais, pois não temos “um professor presencial”, claro que temos os tutores e professores que sempre que precisamos nos ajudando, mas como a distância existe, a comunicação às vezes não é imediata como num curso presencial, e isto nos leva a pesquisar mais, ter um pouco mais independência do que alunos dos cursos presenciais e isto na minha opinião é muito bom, acho que este curso está lançando desafios, onde cada uma de nós esta correndo atrás, e se superando a cada dia, é como diz Paulo “...ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” Andréia Mengue Carlos


Boa noite,meninas! Estou aqui nem sei como,leio,leio e acabo escrevendo quase como um desabafo. A cada atividade nova fico muito impaciente pois vou fazendo tudo na base da intuição.Concordo com vocês quando dizem;-Nos tornamos alunos e não muito aplicadas, pois agimos igualzinho aos nossos alunos. Com vontade de desistir ,com medo do novo, medo de sair do comodismo .Mas estamos tentando se deus ajudar chegaremos lá. Beijinhos Carmen Rovisco.

No meu entender a aprendizagem exige esta desacomodação. Quando as coisas se repetem e enganadoramente nos dão confiança é que começamos a errar ou, pelo menos, deixamos de ver o caminho à frente. Aí é chegada a hora de virar de cabeça para baixo e olhar o mundo de outra perspectiva. Aí talvez vejamos aquilo que o nosso conforto não nos deixava ver. Ler Paulo Freire, um desacomodado, um inquieto, um curioso, é nos colocar nesta posição de ver as coisas de outro jeito. Vocês não acham?

Se estamos conseguindo nos "desacomodar,aguçando nossa curiosidade e ficando inquietos", penso que estamos a meio caminho andado para uma aprendizagem nova acontecer! Essa inquietação da qual nos fala Paulo Freire, é o que precisamos para desmistificar o uso da máquina em nosso trabalho . Torná-lo cotidiano, usá-lo com mais competência, permitir aos nossos alunos esse conhecimento - aprendermos juntos! Que bom que possamos realizar isso com esse curso. Estaremos remetendo nosso @luno ao mundo virtual, conectado ao mundo. Quantas possibilidades estaremos lhes oportunizando. Parabéns para nós que tivemos essa oportunidade. Stela Maris Dias Arroio do Sal.TC


Realmente ler Paulo Freire nos faz ver as coisas de outro jeito!!! Segundo ele, o educador deve ser um provocador de situações, um animador cultural, onde todos aprendem em comunhão. (Isto me lembra o filme Ser e Ter, que olhei e recomendo). Ainda segundo ele, ninguém ensina ninguém e as pessoas não aprendem sozinhas (e isto é visível na Educação de Jovens e Adultos, principalmente). Ler Paulo Freire desacomoda e nos faz pensar: o que estamos fazendo com nossos alunos? Transmitindo conteúdos? Tornando-os cidadãos, libertos das desigualdes e opressões? Estamos preocupados em prepará-los para o mundo? Estamos respeitando nosso aluno,na conquista de sua autonomia? Muita coisa

para pensar... concordam comigo? Cleide

Oi pessoal, meu nome é Ana Paula Pereira Cardoso, trabalho na rede municipal de Alvorada há 14 anos. Atualmente tenho uma 3ª série. gosto muito do que faço. Ser professora é muito gratificante, pois presenciamos o crescimento do nosso aluno diariamente. criamos um vínculo muito forte. Ser professor é ser amigo, confidente, companheiro, ser porfessor é....
Aprendi muita teoria no magistério. Quando fui para a sala de aula, tive que aprender muito mais, isto é, saber colocar as teorias na prática, melhor resolver algumas situações-problemas que não tivemos a teoria no curso do magistério. Foi um momento difícil, pois a vivência e a prática pedagógica nos ajudam muito no dia a dia da sala de aula. Precisamos aliar prática e teoria, para realizarmos um bom trabalho.
Como diz Paulo Freire: "A reflexão crítica sobre a prática se torna uma exigência da relação Teoria/Prática sem a qual a teoria pode ir virando blablablá e a prática, ativismo.
*FREIRE, Paulo.Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. Capítulo 1, Não há docência sem discência. Pág. 24. São Paulo: Paz e Terra, 2001 Ana Paula
Olá Ana Paula, sou Cristiane Mengue do pólo de Três Cachoeiras, também estou trabalhando com uma 3ª série em Torres.Concordo plenamente com o que você realatou sobre a importante relação da prática com a teoria, pois segundo Paulo Freire, jamais existirá uma prática pedagógica sem relação com a teoria, pois é esta que dá embasamento para que a prática não se transforme numa atividade mecânica, sem fundamento algum.

Oi Gurias!
Já estive várias vezes para desistir desse curso, pois me sentia uma "lost".Agora estou me sentindo bem melhor já entendo um pouco mais de computadores.Estou gostando de realizar os trabalhos, mas os trabalhos em grupo não gostei, pois é difícil dar certo trabalho presencial, imaginem trabalho em grupo à distância.Estou freqüentando diariamente o pólo e conto muito com a ajuda das nossas tutoras que são geniais.Acho que fiz um desabafo, peguei o livro do Paulo Freire hoje, vou começar a ler .Cláudia

Oi para todos!
Não foi só tu que pensaste em desistir!!! Mas é isso aí! Vamos em frente, com toda força. Tenho certeza que vais adorar ler Paulo Freire.Um beijão!Cleide

Olá pessoal!
Como vocês já citaram não foi nada fácil o início desse curso, principalmente porque não tinha experiência com computador, mas juntos enfrentamos o medo inicial e continuamos lutando para vencer cada obstáculo que nos aparece, como por exemplo, essa página do wikistória. Hoje posso dizer que ainda tenho muitas dificuldades com a tecnologia, porém cada vez mais vontade de aprender, pois é uma ferramenta maravilhosa, não me imagino mais sem um computador, sem contar que esse torna nossas aulas muito mais interessantes e atrativas. E como professores não podem parar no tempo, precisamos estar sempre em busca, como já dizia Paulo Freire: "A educação é um processo permanente, no qual estamos nos educando continuamente, ou seja, não é válido para ele falar de educados e não educados, mas sim de graus de educação que são relativos e não absolutos". Concordo com a colega acima quando diz que cobramos de nossos alunos, mas que muitas vezes acabamos agindo igual a eles, pois como já dissemos anteriormente, nós estamos nos educando continuamente, ou seja, ao ensinarmos não estamos apenas transferindo o que sabemos, mas provocando o educando a criar e recriar, e ao mesmo tempo trocando aprendizagem..Catiane Vargas.

Olá pessoal, também várias vezes pensei em desistir, mas agora estou com muita vontade de buscar novos conhecimentos e trocar idéias e experiências com vocês. Eu sou uma professora que cobro muito dos meus alunos, as vezes até de mais aí dou uma freada. Tem vez que penso que eles(alunos) não gostam muito de mim, pois me acho um pouco braba, mas a medida que o tempo vai passando nosso entrosamento é tão gostoso que essa sensação passa. recebo bilhetinhos, cartinhas e ontem dois alunos chegaram e pediram para eu dar aula para a 4ª série o ano que vem, só para eu ser novamente a professora deles. Isso é o máximo. Ana Paula


Oi colegas!
Até agora, o vilão foi o tempo e alguns problemas pessoais que tive, mas estou gostando muito e conseguindo me adequar a tudo.Essa atividade que está sendo um pouco mais difícil para mim. Estou com muitas dificuldades do que fazer, onde ir, mas me acharei!!! Professor que é professor de verdade não desiste quando encontra uma pedra no meio do caminho! Cristina Noschang

ANA CLÁUDIA DEL MONEGO
Eu também faço parte dessa história, como já coloquei em alguns trabalhos, iniciei minha trajetória profissional há muito tempo e, tenho o maior orgulho de ter escolhido essa carreira. Talvez por influência familiar, talvéz por vocação, não sei ao certo, mas o que realmente sei é que estou aqui, sem nenhuma vontade de parar. A grande oportunidade que tive na minha vida, foi poder estar fazendo o EAD, que tem nos dado muitas oportunidades de crescimento e, tam bém muito sufoco, pois corro o dia interiro para dar conta de tudo. Tenho algumas paixões na minha vida, que são verdadeiros presentes de Deus, Meus pais, meu filho, meu marido e meu cachorro Barth...E agora tive a oportunidade de achar alguns novos copmanheiros e parceiros no curso como professore, colegas e tutores. Tenho adorado as leituras propostas, pois vêem de encontro ao pensamento que tenho sobre educação "libertadora". Assim como a Profª Vera Corazza, também tive a oportunidade de conhecer e assistir algumas palestras e discussões com o maravilhoso Paulo Freire, que nos dá uma brilhante idéia do que vem a ser Educação Popular, o que no início parecia ser muito distante somente com as leituras de Marx e Weber. Maior prazer ainda tenho de estar estudando com pessoas com as quis já trabalhei, tais como: Alexandra, Ana Lúcia, Rosane Beltrão, Inês, Mario Augusto, Marion e tantos outros. Concordo com a Rosane, quando diz que no Érico ela aprendeu muito, pois é uma grande escola, o xodó de quem já passou por lá. No Érico, tive oportunidade de trabalhar com uma educadora excepcional, a colega Kátia Bahnert, que foi quem me ensinou os primeiro passos sobre construtivismo, a partir daí passei a ser outra pesoae, não parei mais. Logo tivemos a oportunidade de elegermos a Administração Popular em Alvorada, para alguns colegas, foi o caos, pois tudo o que é novo dá medo e gera muitas críticas, até mesmo só por criticarem. Para mim foi o máximo, pois pudemos implantar uma forma educacional diferenciada da que tínhamos, a tradicional, e tínhamos política pedagógica, e eramos muito cobrados por isso. Hoje, não temos uma linha educacional definida, então não tem como cobrar e, por incrível que pareça, muitos estão reclamando de estarem tão soltos. Espero, sinceramente, que este curso faça com que algumas mentes se abram e pensem realmente na importância da Educação Popular, tão falada por Marx, Engels, Freire, Gadotti e outros.Quero fazer parte dessa história da Educação Libertadora que é tão essencial, para que possamos ter cidadãos pensantes e capzes de decidirem seus destinos.Vou parar por aqui, senão escrevo sozinha e não sobra espaço para mais ninguém.
Eu já ia esquecendo: visitem meu bloguinho[[|kakamonego]]

aangel.gifE aí gurias ! Sou a Ana Parker, ainda não domino plenamente o uso das tecnologias mas fico fascinada pelas facilidades que o computador pode proporcionar a todos e do quanto que até agora já avançamos nesta área.
Concordo com a colega Andréia ao citar Freire, realmente estamos num processo de aprendizagem, nos apropriando de conhecimentos, fazendo reflexões, reavaliando a nossa prática, indo em busca da tão sonhada graduação, que até agora não conseguimos realizar por diversas situações e histórias de vida de cada uma de nós.
Esta modalidade de curso à distância proporciona a pessoas como eu, que por não ter tempo e nem condições financeiras de manter um curso numa faculdade particular, o privilégio de estudar e de me aperfeiçoar como profissional.
Muitas vezes bate o desespero, pois são várias as dificuldades encontradas.

Olá Pessoal!Sou Adriana Marques do Pólo de Gravataí, trabalho a 17 anos no município de Cachoeirinha.Também encontrei dificuldades com a tecnologia no início do curso.Concordo com o que a Ana Parker escreve que o nosso tempo é curto,que esta modalidade de ensino veio de encontro as nossas necessidades, porque podemos administrar melhor nossos estudos, e fazer o que me parece mais importante, nos aperfeiçoar, além é claro de estudar numa das universidades mais conceituadas do Brasil!
Também quero fazer parte da Educação Popular de fato, estudar Marx,Weber,Freire nos faz repensar nossa prática pedagógica. Como diz Freire:" não posso ser professor se não percebo cada vez melhor que, por não poder ser neutra, minha prática exige de mim uma definição...Exige uma escolha entre isto ou aquilo".

Oi pessoal! Eu como sempre, atrasada.
Como muitas colegas já disseram nós estamos tendo a oportunidade de refletir o, o que é muito importante na vida do professor. Eu trabalho em Gravataí há 18 anos. Hoje tenho 2 terceiras séries, amo o que faço, embora muitas vezes me sinta angustiada com tudo o que acontece na sociedade, em particular na vida de meu aluno, e que refletem diretamente em sala de aula. Também com todas estas dificuldades, dissabores do cotidiano a gente cresce e nos obriga buscar forças para melhor interagir nas dificuldades e tornar o estudo um momento de apredizagem.
Hoje, cursando este curso de graduação, PEAD, estou crescendo e vejo que podemos ver as dificuldades com outro olhar. Paulo Freire dizia: "O diálogo em que se vai desafiando o grupo a pensar sua história social como a experiência igualmente social de seus membros, vai revelando a necessidade de superar sua "incompetência" para explicar os fatos." Então o professor fazendo uma leitura nova da condição do aluno, lugar que vive, condições financeiras, trabalho familiar, enfim todo o meio que vive o aluno, este terá condições de mediar a aprendizagem e esta acontecerá de fato. O aluno será realmente um aprendiz e a educação será a aprendizagem.
Sempre me questiono, estou sendo gente mais gente? Estou apresentando determinado conteúdo e desafiando meu aluno de modo que ele vá percebendo pela própria prática que ele é capaz de aprender? Temos muito a crescer e todos nós precisamos ter consciência de que se não podemos construir sonhos impossíveis ou estimulá-los, não devemos negar a
quem sonha o direito que ele tem de ter sua utopia.
13.jpeg Até breve Cristina de Siqueira da Silva.

Sabe colega ainda acho que mesmo olhando a problematização do nosso aluno, devemos mostrar-lhe que mais ainda ele deve procurar ser cada vez melhor para que esta problematização pela qual ele está inserido, mesmo que não seja por sua culpa talvez não venha acontecer consigo no futuro ou se acontecer que ele saiba não passar por cima dela mas que saiba tirar a melhor l~ção dela. Eu tenho percebido através du curso que alguns profissionais estão falando algumas coisas como se nunca tivesse agido de tal maneira e também como se estivesse em outro planeta. Pois para mim, o aluno sempre foi avaliado num todo, inclusive nos seus problemas diários. E sonhar é um direito de todos, m as ele deve saber qual a diferença de um sonho realizável naquele momento mais proóximo da sua realidade e um sonho que até poderia ser realizado, mas se antes forem realizados sonhos mais básicos. Seria mais ou menos como sonhar em ter um "porche¨", alguém que nem emprego tem. O ideal é sonhar com um ótimo emprego e conseguir mantê-lo,
crescer dentro dele, ai sim
começar a sonhar com algo já a altura ou mais próximo de sua realidade.
Eu, Ana Barbosa , concordo plenamente com a colocação da colega, onde devemos mostrar para nosso aluno que existe um mundo diferente daquele que ele vive, existe um mundo que pode ser diferente, onde ele pode fazer a diferença, com seu trabalho, estudo, esforço...Problemas também terá, mas saberá solucioná-los com clareza e determinação.Os alunos devem ser avaliados num todo, pois sua vida particular está presente no seu desenvolvimento escolar.Sonhar é pra todos, nós educadores devemos deixar sonhar, mas mostrar os caminhos a ser percorrido até esse sonho virar realidade.

Oi Colegas! Realmente creio que esse é o nosso papel sermos mediadores. Conduzir nossos alunos por caminhos que os prepare da melhor maneira possível até a concretização dos seus sonhos. Mas precisamos estar atentas a cada um deles, porque entre os nossos alunos existem muitos, vivendo vidas tão medíocres que já nem sonham mais e eu acredito que sem sonhos, sem objetivos eles perdem todo o interesse em aprender alguma coisa. Concordam? Cristiane Simões

Gente eu estou meio perdida, somente hoje consegui chegar nesta página.
Acredito realmente que nós porfessores somos mediadores na educação e também na formação do nosso aluno e temos que ter bem presente o nosso papel , pois temos em nossas mãos seres dos quais devemos nos colocar como agentes transformadores.
Sim.
Concordo com o que as minhas colegas postaram,pois sem sonhos a nossa vida não tem sentido.Quanto aos nossos alunos que são crianças, muitas vezes temos a obrigação de despertat neles o gosto pelo estudo, mostrar a eles que o estudo é a base de tudo, que para podermos alcançar os nossos sonhos temos que ter estudos e nos dedicarmos a nossa formação.
Sabemos que nossos alunos tem uma desigualdade social muito grande, uns possuem muito e outros não tem quase nada,mas em nossa escola, sala de aula devemos tratar todos com igualdade, respeitando e valorizando suas diferenças.
Temos que acreditar em nossos sonhos. Cátia Cilene da Silveira Titoni.

Olá pessoal, sou Carem Mengue acabei de chegar na história e lendo-a achei que não se tratava propriamente de uma história, pois há apenas relatos de experiências, desabafos sobre o curso e a suas profissões, suas atuações em salas de aula relacionando-as com o embasamento teórico de Paulo Freire. É realmente este o próposito da atividade? Pois bem, se è este: O curso têm me proporcionado muita alegria e aprendizagem, ler Paulo Freire é mergulhar em APRENDIZAGEM escolar, metodológica e social. Confesso que toda a modalidade do curso - tudo pela Web- me assustou um pouco, mas foi apenas uma montanha a ser ultrapassada e agora me sinto muito feliz por saber utilizar tantas ferramentas como: blog, rooda e pbwiki. Ficarei aguardando contribuições para "esta história"

Eu me chamo Carine Linhares,sou do pólo de Três Cachoeiras, e assim como as demais colegas no início me senti meio perdida,pois não dominava as tecnologias, ainda estou em fase de adaptação.No entanto, estou aprendendo o suficiente para me sentir presa e curiosa para novas descobertas,assim como os textos que nos são sugeridos, que nos fazem refletir sobre nossa prática diária.
Ao lermos as publicações de Freire, somos instigados a se auto avaliar, teriamos vários comentários a serem relacionados com nossas práticas, gosto de citar quando fala que devemos provocar a curiosidade em aprender, devemos estigar a crítica pessoal de cada um, que a o ensinar também estamos aprendendo, que devemos cobrar de nossos a responsabilidadede seus atos, porém devemos levar em consideração o processo de aprendizagem de cada um, pois a vida pessoal influência no desenvolvimento de cada aluno.

Colegas ,quem entra na história é a Alexandra,estou bem incentivada com essa atividade,acho que é mais uma maneira de trabalharmos sobre algum assunto.Sinto-me feliz e orgulhosa em integrar a turma do pead,confesso que ,NESSE ANO,as coisas não foram muito fáceis para mim,mas no ano que vem...me agrardem.Fiquei emocionada em ver meu nome citado na participação da colega Ana Claudia,muitos momentos bons e outros nem tantos estivemos juntas,implantamos a EJA no
Érico,e falar em EJA sem falar em Paulo Freire é impossível.Gosto quando o mesmo fala da necessidade constante de busca de conhecimentos e atualização dos profes,ele sempre ressalta a necessidade de uma reflexão crítica sobre a prática educativa,para que ateoria não vire apenas discurso e a prática,reprodução alienada.Concordo plenamente com ele.

Estava lendo Paulo Freire e uma parte me chamou muito a atenção e queria que vocês refletissem: Como é importante pesquisar para conhecer e anunciar a novidade. o que vocês acham? Ana Paula

Oi, pessoal! Estou tentando "absorver" este novo espaço. Tive muitas dificuldades para chegar aqui (como muitas, eu sei), mas espero estar progredindo. Bem, li as postagens acima e duas coisas "prenderam" minha atenção. A primeira se refere ao fato de algumas colegas comentarem que já pensaram em desistir do curso. A segunda é a afirmação da colega Cris Noschang que diz:
"Professor que é professor de verdade não desiste quando encontra uma pedra no meio do caminho!"
Como diria um aluno meu "Baaaaa... vou ter que pensar...".
Pois é... olha só: eu já desisti de uma faculdade...há muito tempo atrás. Hoje, estou determinada a não fazê-lo. Por mais que surja a vontade ou o desânimo (ou desencanto) Concordo com as colegas. Em relação a "pedra no meio do caminho", penso que há muitas maneiras de lidar com ela: sentar sobre, contorná-la, removê-la, torná-la parte de nossa paisagem... Mas o que me faz pensar mais é o "professor que é professor de verdade". O que é um professor de verdade? Quais os critérios que podemos utilizar para dizer que alguém é um professor de verdade? Ou, de "mentirinha" ? Antes que eu me esqueça, apresento-me: Bia Guterres. Ou Maria Beatriz, se desejarem que eu me sinta mais formal. Pretendo voltar...Abraços a todos.

Ei Povo!

Alguma de vcês já foi dar uma olhada nas outras salas?

Sala 02 - Sala 03 - Sala 04 - Sala 05 - Sala 06 - Sala 07

ou nas salas especiais?

:: alfabetizar
:: Trabalho em Grupo e Diferenças de classes
:: necessidades especiais

Ou estão à fim de uma guarana.jpg gelada no nosso bar?

Concordo contigo Bia, o que é ser um professor de verdade? Será que somos professores de mentira? Acho que qualquer pessoa tem o direito de desistir de alguma coisa, não só porque econtra obstáculos, mas pode ser por vários motivos, não sabemos e não devemos julgar ninguém. Eu mesma, já pensei em desistir desse curso, por vários motivos, mas graças a Deus, estou aqui. E antes de ser pprofessora sou um ser humano, que tenho fraquezas, sentimentos e muita garra.

Bem, hoje falei um pouco na minha página sobre o capitulo 3.2 Ensinar exige comprometimento. Não posso ser professor sem me pôr diante dos alunos, agindo de maneira natural para servir de exemplo. Impor limites com a capacidade de não falhar com a verdade. Ana Paula

Colegas, muitas vezes nossa profissão não é entendida como profissão: fala-se em /sacerdócio/. Salientam o caráter de doação, de renúncia, de despreendimento. No entanto, temos as mesmas contas à pagar no final do mês. Temos a mesma frustração que outros profissionais têm em relação às condições de trabalho. Nosso trabalho não se limita ao horário da escola, ele nos acompanha em casa. Por outro lado, esta relação diferenciada com o trabalho é tida como natural e somos mal interpretados quando lutamos por nossos direitos. Como vocês sentem isso?

Olá gurias, estou chegando aqui hoje, atrasadérrima! Já tinha dado uma olhadinha, mas só hoje tomei coragem de "meter a cara".
Entendi a proposta de forma diferente, assim como a colega Carem Mengue, pensei que criaríamos uma história e não relatos, mas tudo bem, o papo está bom, continuemos, então.
Vejo-me refletida em todos esses relatos....Na questão do curso: quantas vezes pensei em desistir, deixar prá lá, no começo foi tudo tão mais complicado do que eu imaginava, e as coisas ainda não estão fáceis não. É problema com conexão, com essa BrasilTelecom, com o PC, o pólo, o tempo (ah! bendito tempo!). Ok! Continuarei contornando as pedras, quebrando-as (coisa de ariana torta), arrastando-as, enfim.... Quanto ao Ser Professora, desde cedo adorava ensinar, admirava as professoras, mas não queria assumir isso...Já sabia que a vida de uma professora não era fácil...Tão mais simples ser modelo, atriz, executiva, astronauta...Afinal, trabalhar em escolas precárias, com dificil acesso, sem ar-condicionado, ficar escabelada e cheia de poeira antes mesmo de chegar a hora do recreio~não é o sonho de uma criança de 9 anos de idade, nem de uma adolescente. Porém, após ingressar no Magistério e ter os primeiros contatos com a gurizada entendi a delícia que é ser professora. Vieram as dores...Entendo o que a colega Ana Paula colocou. E também sinto-me assim, as vezes parece que não temos se quer o direito de adoecer, sempre levamos trabalho para casa, na nossa profissão não existe sábado, domingo ou feriado, qualquer horário é próprio para correção de provas, planejamento, confecção de jogos, materiais didáticos, etc, etc, etc, e quando ficamos horas e horas pensando como agir com tal aluno que está passando por uma situaçãoX ? Depois somos motivo de piadinhas de péssimo gosto por termos 3 meses de férias. Já ouvi várias vezes pais falarem assim: - Essas professoras reclamam de salário, mas todas tem carrro! Como se não tivessemos o direito de receber pelo nosso trabalho e termos os mesmos bens materiais das outras pessoas, que tem profissões diversas. É, gurias, essas são umas das dores. Mas as crianças, elas são geniais...Na quarta-feira passada fomos passear, passamos o dia no Riacho Doce, um balneário bem bacana, que fica em Gravataí. Estou toda torrada do sol, ardida mesmo (coloquei protetor solar e tudo, mas o sol estava muito forte), porque passei o dia todo ao redor deles na piscina. Foi um dia incrivel, e olha, eu tinha jurado pra mim mesma que esse ano não ia ter passei de final de ano, por causa da correria, do transtorno que é marcar tudo, organizar, juntar a grana, etc e tal...Mas eles insistiram tanto, que acabei cedendo, e foi a melhor coisa que fiz, ceder.
Outra pedra no caminho é o sistema....Já tive muitos problemas com o sistema ( aquelas formas de dominação ), tantos que pensei em desistir de dar aula, até que um dia conclui, hoje eu não trabalho mais para a rede estadual, trabalho para os meus alunos, faço tudo que posso por eles e para eles (dentro das quatro paredes da minha sala), quando estamos lá dentro esqueço do resto, e faço o meu melhor. E vale a pena, é muito gratificante tu chegares no final do ano, olhar aquelas crianças e alguns pré-adolescentes, brincando felizes na piscina, querendo que tu "passe" a dar aula para 5ª série, só pra ficar mais um ano com eles, sentindo que eles confiam em ti, entendem oque de uns "puxões de orelha", às vezes, e o mais engraçado é que eles adoram um puxão de orelhas, porque eles sabem que tu faz isso porque se importa e gosta e quer bem.
Buenas, pessoal, acho que já falei demais. Ah! eu ia esquecendo, meu nome é Chaine.
Bom final de semana!

Quando ensinamos devemos ter em mente o meio que nossos alunos vivem e mostrar sua realidade como sábia e não menosprezá-la, eles tem o mesmo direito de todos fazer com que dialoguem participem, vivam a aprendizagem, mudem para melhor sem deixar a alegria de lado e ter sempre esperança.


Nunca Desista

Olhe para o amanhecer...
É um novo dia que chega.
Novas escolhas, novas pessoas, novos desafios.
Olhe o sol nascendo para encontrar novas energias e lembrar
que cada amanhecer traz outras oportunidades e novas esperanças."


Nunca desista mesmo!!!! ESte é o nosso trabalho!!!! Acreditar sempre!!!! Enfrentar desafios e querer sempre o melhor para os nossos alunos.Um abraço a todos...


Ao lermos as publicações de Freire, somos instigados a nos auto avaliar. Teríamos vários comentários a serem relacionados com nossas práticas, gosto de citar quando fala que devemos provocar a curiosidade em aprender, devemos estigar à crítica pessoal de cada um, que ao ensinar também estamos aprendendo, que devemos cobrar de nossos alunos a responsabilidade de seus atos. Porém devemos levar em consideração o processo de aprendizagem de cada um, pois a vida pessoal influência no desenvolvimento de cada aluno. É baseado em aprendermos ao ensinarmos que Paulo Freire afirma que estamos nos educando continuamente e que a "Educação" deve sempre ser vista como um processo inacabado. Entrar na Wikistória não foi nada fácil, pois só conseguimos participar um de cada vez, porém muito importante, pois é através das leituras e discussões sobre a mesma com nossos colegas professores que ampliamos nossos conhecimentos, dividimos dúvidas, angústias, alegrias e esperanças de uma educação ainda mais qualificada. Como já disse Paulo Freire: “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” Portanto, luto para que meus alunos "transformem as informações em conhecimento e o conhecimento em experiência”. Catiane.vargas.

Oi Colegas, bem atrasada, mas também quero fazer minhas contribuições sobre meus pensamentos entre Paulo Freire e a prática de educadora. Eu, Andréia Nunes penso que:
Como Paulo Freire nos disse:
“FORMAR é muito mais do que simplesmente EDUCAR.”
  • Paulo Freire coloca que o educador deve assumir sua postura de sujeito de produção do saber e não apenas transferir conhecimentos, quer nos dizer que “pensando certo” construiremos um mundo melhor, precisamos ser otimistas, que ensinar é aprender e é assim que se entende a prática educativa como um exercício constante em favor da produção e do desenvolvimento da autonomia de educadores e educandos.
  • Paulo Freire também traz que o professor é sim um agente de mudança, de transformação da sociedade. Que o educador não pode ser neutro, isso eu colocava em uma artigo que está no meu blog, quando falo que ainda temos muitos colegas que se colocam enquanto neutros- sem opção política, sem posicionamento dentro da sociedade e da vida escolar. aqui não falo de opções partidárias, mas sim de movimentação referente a minha postura de professora, que compreeendo e avalio toda a conjuntura social e politica com a qual nos deparamos. Jorge Werthein ao falar da neutralidade de professores e professoras diz que ACEITAR QUE É NEUTRO É ADMITIR QUE TEM MEDO DE REVELAR SEU VERDADEIRO COMPROMISSO.
  • Ele colocou o pobre o oprimido, no centro da história, e é ele um testemunho de resistência, dignidade, e valorização dos oprimidos.
  • Penso que estas lições que ele nos deixou ainda é muito difícil de aprender. Eu faço uma análise principalmente por estar envolvida com uma rede de professoras e não só com a minha escola. É chocante e muito dificil para mim, estar entre colegas num movimento social, com mais de 4 mil pessoas, e uma delas me diz COITADINHOS, ESTÃO NO SOL ESPERANDO UM CACHORRO-QUENTE E UMA CESTA BÁSICA.
  • Me pergunto: Por que ainda nos referimos aos pobres, negros e portadores de necessidades especiais como coitadinhos? São eles coitadinhos? Como você colega se coloca frente a isto? Você mesmo, educadora como eu.
  • Outra frase que penso ser maravilhosa de Freire e que diz muito quando avalio eu enquanto professora que é CADA UM DE NÓS É UM SER NO MUNDO, COM O MUNDO E COM OS OUTROS, ele também definiu o presente como algo que pode ser mudado, que podemos e devemos adquirir o conhecimento necessário para mudar as desigualdades sociais, o preconceito referente a cllasse, etnia, opção sexual, impostas pela classe dominante da sociedade, e que é a mesma que domina a educação.
  • Eu avalio que vivemos num sistema viciado, que é o que impede a transformação e nosso primeiro papel enquanto educadoras e educadores é FAZER O TRATAMENTO DESTE SISTEMA.
  • Então ainda posso dizer que meu papel de educadora se restringe a minha postura em sala de aula? Que devemos ser apolíticos, porque a mudança é de cima para baixo e não de baixo para cima?
Um grande beijo a todos
Oi pessoal estou voltando, acho que apagaram o meu comentário pois sumiu.
Já fiz várias tentativas para dar continuidade a wikistória, finalmente consegui,Gente cada vez acredito mais que nós como professores, temos que nos conscientizar do nosso papel de agentes transformadores da educação, temos o dever de formar cidadãos conscientes , críticos e atuantes na sociedade. Acho que quando o educador for ouvido , questionado, chamado a participar da organização do ensino, acredito que vá melhorar, mas enquanto ficar nas mãos dos burocratas e políticos,, vai ser difícil a mudança.Celma


Também acredito que se queremos formar cidadãos críticos, conscientes, pensantes,responsáveis e tudo mais aquilo que desejamos para nossos alunos, devemos ser agentes transformadores. Devemos ser exemplos para nossos alunos, não aceitando tudo o que vem de cima passivamente. Devemos questionar, e exigir que nossa opinião seja ouvida. Enquanto leis vierem de cima, elaboradas por um grupo que não conhece a realidade, a educação não terá a qualidade que almejamos.

Olá Colegas,
A educação no Brasil, ganhou uma nova dimensão com as propostas educacionais de Paulo Freire.
Na sua trajetória de educador, escreveu inúmeras obras que, além de ter ajudado muitos educadores a repensar a questão da educação, colabora, também para pensar a sociedade.
Segundo ele, a soma de vários fatores compõem a visão do educador que visa desenvolver uma pedagogia libertadora. O respeito pela individualidade do educando e pelo saber que ele carrega consigo, adquirido através de sua vivência, são saberes necessários a prática educativa e lendo a sua obra Pedagogia da Autonomia nos faz também repensar.
Com relação ao nosso curso também acho que ele é diferenciado, precisamos pesquisar mais e por isso encontramos algumas dificuldades. Cristiane Scheffer (Pólo de Três Cachoeiras).


mel.gifOlá,colegas! Sou a Bia do pólo de Alvorada!!!!!!!

Quando reavaliamos as nossas atitudes estamos pensando certo,pois como escreve Paulo Freire "o pensar certo é fazer certo".Deste modo poderemos adquirir conhecimento .Estamos aprendendo com os nossos errros e nossos acertos.Neste curso estamos constantemente reavaliando a nossa prática e isso nos ajuda a pensar certo.
aangel.gif
"O homem não pode participar ativamente na história, na sociedade, na transformação da realidade se não for ajudado a tomar consciência da realidade e da sua própria capacidade para a transformar. (...) Ninguém luta contra forças que não entende, cuja importância não meça, cujas formas e contornos não discirna; (...) Isto é verdade se se refere às forças da natureza (...) isto também é assim nas forças sociais(...). A realidade não pode ser modificada senão quando o homem descobre que é modificável e que ele o pode fazer. "
(Paulo Freire. 1977, p. 48).
Lendo este pensamento de Paulo Freire fica bem claro para mim o verdadeiro papel do educador e da sua importância nos movimentos sócioculturais e políticos do país. E você o que acha?
Ana Parker


Sou Ana Lúcia Dornelles e achei interessante participar deste tipo de discussão com esta nova ferramenta (wikistoria). Também entendi como as colegas Carem Mengue e Chaiane, que não está sendo uma história e sim relatos, frustrações, desabafos sobre suas vidas. Bom vou tentar explicar o que entendi: Ao ler os textos de Paulo Freire, entendi que precisamos nos avaliar e nos educar com freqüência, pois somos a referência para nossos alunos. É comum ouvirmos alunas (a maioria das vezes são as alunas das séries iniciais) nos dizer que querem ser professoras. Em quem se espelham? Como brincam de "aulinha"? Elas fazem exatamente tudo o que fazemos... Sempre que vejo uma cena dessas, estimulo as mesmas a seguir em frente, mas sempre alerto: Essa é uma profissão que exige muito AMOR, compreensão, desprendimento e sobretudo dedicação!

Sou Anete T. Severo , lendo as falas das colegas percebi que nossas vivências, problematicas, situações diversas são semelhantes. Realmente o curso a distância é um grande desafio e motivo de grande orgulho, pois é uma oportunidade ímpar para nossa qualificação profissional. Digo desafio em função das tecnologias que não domino, sou ainda muito dependente das tutoras, e pelo fato do curso ser a distância. Assim sendo, a busca do conhecimento por nós deve ser ainda maior, em relação aos cursos de graduação na modadidade presencial. Segundo Paulo Freire, em sua obra Pedagogia da Autonomia, pág 29,..." Não há ensino, sem pesquisa e pesquisa sem ensino .Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade." Com embasamento nestas sábias palavras descrevo a importância do curso de Pedagogia a Distância, o qual estamos realizando, pois faz parte da natureza da prática docente a indagação, a busca a pesquisa. O que precisamos em nossa formação permanente, segundo ensinamentos de Paulo Freire, o professor se perceba e se assuma, porque ser professor é ser pesquisador !
Concordam meninas (os) ?

Olá, sou Aline V. Leal, do pólo de São Leopoldo, e segundo Paulo Freire, "Por isso é que, na formação permanente dos professores, o momento fundamental é o da reflexão crítica sobre a prática. É pensando criticamente a prática de hoje ou de ontem que se pode melhorar a próxima prática." (Pedagogia da Autonomia, pg. 44). E conforme a colega comentou, vejo que este curso- Pedagogia, é uma oportunidade que nós, professores estamos tendo para interagir e trocar nossa experiências, a fim de que possamos aplicar e adequar as nossas práticas diárias, buscando sempre a melhor forma para fazer com que nossos alunos obtenham sucesso no processo ensino e aprendizagem

Eu cristiane Diel do pólo de São leopldo
A leitura de Paulo Freire è muito provocativa e nos leva a pensar sobre a prática educativa.Por isso não existe motivo para acomodação é preciso estar em constante transformação.
Segundo Paulo Freire, atualmente não se entende mais a educação como formação mas como treinamento. Para não nos tornarmos meros treinadores de alunos e sim educadores de futuros cidadãos, temos que educar a partir das vivências de nossos alunos.

Sou Anete T. Severo, filha de pequenos agricultores e vinda de uma família de dez irmãos. Nasci e cresci num pequeno lugarejo chamado Alfama, interior de Montenegro.Me vejo uma pessoa simples e tímida, mas com muita vontade de vencer, alcançar meus ideais. Desde pequenina crescia comigo o sonho de ser professora e durante minha infância adorava brincar de aulinha, meus irmãos menores eram meus alunos. Éra muito legal ! Como éramos muito pobres meus pais não puderam pagar meus estudos, estudei somente até a quarta série do ensino fundamental na escolinha que lá havia. Já adolescente, trabalhava de dia e a noite estudava, assim concluí o ensino fundamental e médio habilitação Magistério. O dia da formatura foi minha maior realização, era o sonho sendo alcançado. Logo prestei concurso público e hoje sou professora da rede do ensino público do Estado. Leciono na Escola Estadual de Ensino Fundamental Coronel Januário Corrêa, a mesma está situada na rua Bernardo Griebler, 333 no bairro São João, no município de Montenegro.



Olá pessoal!
Meu nome é Cleci Porsch, moro em Novo Hamburgo e trabalho em Sapiranga. Sou professora alfabetizadora e gosto do que faço. Estou lecionando na Escola Maria Emília de Paula.
Entrei nesta sala, devido a letra do meu nome, espero que esteja correta.
Já realizei minha página individual, falta ela aparecer ao lado.



Oi gente!
Sou a Carolina, de Taquara (pólo de Sapiranga). Penso que ser professora é algo que não da para definir em algumas poucas palavras, nem formar um conceito imutável, pois esta "função" se modifica de acordo como avança a sociedade, mas algumas coisas podem ser ditas quanto o "ser professora". Temos que ter humildade para entender que não somos detentoras do conhecimento, como já fomos um dia, temos agora o papel de mediar nossos alunos com o mundo do conhecimento e de incentivá-los a buscar conhecimento, para que possam relacioná-lo com sua realidade e modificá-la. E este papel é muito importante, pois vemos que hoje a sociedade em geral encontra-se bastante desmotivada, acomodada e descrente de tudo. O curso que estamos fazendo (PEAD) esta fazendo que nós, enquanto professores, nos desacomodemos, pois estamos sempre sendo levadas a pensar sobre questões do nosso dia-a-dia.Um abraço a todos. Carolina Kappel

Olá, eu sou Cristiana Selau.....Ufa, vou tomar uma água para descançar. Hoje percorri por muitas trilhas e acabei me perdendo por uma delas. Sorte que sou persistente, não poderia ficar para traz, encontrei uma amiga e juntas acabamos caminhando.Boa Noite colegas!Está difícil nos habituarmos com as novas tecnologias. As vezes, quase sempre, sabemos fazer as atividades propostas, mas acabamos perdendo tempo nas tentativas frustadas de postar nossos trabalhos.Essas experiências que estamos vivenciando serve para darmos uma sacudida na vida, entender que o mundo,a sociedade, esta aí para isso mesmo, nos desafiar e apartir daí perceber que somos capazes de muitas coisas quando nos conscientizamos e nos dispomos a tal.

Hello!!Até que enfim consegui! Não consegui fazer esta atividade antes pois o que escrevia sumia, nem a tutora conseguiu e até enviou um email relatando a dificuldade. Como sou persistente não desisto!!!! Aliás, esta é a característica fundamental para ser educador, e este curso está testando esta capacidade. Concordo com a colega Carolina de taquara , o pead nos tirou da estagnação e acomodação. Um abraço a todos, CRISTIANE DIEL.

Olá colegas!
Sou a Adriana, do pólo de Sapiranga. Andei lendo os comentários de vocês e concordo plenamente que somos mediadores da educação. Nosso papel hoje está muito mais além de sermos transmissores de conteúdos, mas temos um compromisso fundamental na formação integral das nossas crianças, uma vez que, a escola está cada vez mais assumindo um papel que deveria ser iniciado pelas famílias, resgatar e trabalhar os valores oportunizando que as crianças tenham acesso ao conhecimento de uma forma atrativa e feliz. Assim, devemos trabalhar a partir de idéias que Paulo Freire nos colocou, como, que aquilo que ensinamos precisa ter sentido para os alunos, devem fazer parte de sua realidade. Ele precisa interagir para que ocorra naturalmente a aprendizagem. Adriana Borella Pesoa
Lendo as contribuições de todos meus colegas fiquei impressionada com o crescimento que todos tivemos ao longo do nosso curso. Com certeza o `Pead tem sido mais do que importante em nossa vida, tem sido fundamental para nosso desenvolvimento e nossa prática docente.Foi muito bom reler Paulo Freire, nele me encontrei e reforcei ainda mais minhas teorias educativas. cristina coelho

Já contribui com algumas idéias sobre Paulo Freire, porém não consegui localizá-las,inclusive na acasião havia somente uma participação.Mesmo assim gostaria de continuar colaborando." ... a escola, o dever de não só respeitar os saberes com que os educandos , sobretudo os das classes populares, chegam a ela- saberes socialmente construidos na prática comunitária..." É imprescidível que nós, professores, levemos em conta a realidade de cada um de nossos alunos , aproveitando sempre os saberes que os mesmos já possuem, com intuito de socializar os conhecimentos. Apoiada neste pensamento condiciono minha prática docente. Tudo que aprendemos até agora só veio reforçar mais ainda meu desempenho em sala de aula. Aline V. Leal

Colegas retomando minha participação gostaria de dizer que concordo com Andréia Mengue quanto a sua colocação sobre esta nossa descoberta no ensino a distãncia e também gostaria de deixar algumas frases ditas por Paulo Freire que eu penso serem pura inspiração para esta nossa tarefa de educar:
"A educação é um ato de amor, por isso, um ato de coragem. Não pode temer o debate. Análise da realidade. Não pode fugir à discussão..."
"Sou professor a favor da decência contra o despudor, a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade, da licenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou de esquerda.
Sou professor a favor da luta constante contra forma de discriminação, contra a dominação econômica dos indivíduos ou das classes sociais.
Sou professor contra a ordem capitalista vigente que inventou esta aberração: a miséria na fartura. Sou professor a favor da esperança que anima apesar de tudo."
A escola dos sonhos
"Lugar de criar laços de amizades,de camaradagem,de conviver.Escola fácil de estudar ,trabalhar,crescer,lugar de fazer amigos,educar-se,ser feliz..."
Paulo Freire
Um beijão a todos Andréia Nunes


Paulo Freire, um exemplo a ser seguido.Tenho verdadeira paixão pelas suas palavras, como: ¨"Sou professor a favor da decência contra o despudor, a favor da liberdade contra o autoritarismo, da autoridade, da licenciosidade, da democracia contra a ditadura de direita ou de esquerda,..
As idéias dele, Paulo Freire, são voltadas para com o respeito da realidade do ser humano. E nós, professores somos mediadores da educação.
Ao findar as leituras propostas para este trabalho, tive que fazer a impressão dos textos, pois fiquei apaixonada ainda mais pelas idéias deste educador.
Quero sempre ser uma professora desacomodada, "indignada", mas nunca, ainda mais depois das leituras de Paulo Freire, serei alienada. Os livros de Paulo Freire devem, na minha opinião, serem livros de "cabeceira", são muito reflexivos.
UM beijo a todas Carla Maus

Olá pessoal, sou a Cleide Borges Cardoso do pólo de Três Cachoeiras. Vim dar a minha participação na wikhistória, embora como a colega Carem Mengue comentou, estranhei ao ler os textos elaborados, onde a proposta da atividade seria de criar uma história, sendo usado o ambiente para desabafos... Encantos e desencantos... Mas compreendo esse fato devido ao cansaço que nos encontramos físico e mental, acumulando energias que precisamos liberar de alguma forma. Não poderia existir um jeito melhor, não acham? Este é o segundo texto que elaboro, o primeiro sumiu... Mas sou teimosa. Qualidade ou defeito? Posso lhes afirmar que foi a teimosia que me trouxe até aqui. Não posso deixar de comentar minha apreciação na participação de nossa colega Andréia Nunes, sua forma de colocar as idéias deixa explícito seu espírito de luta como educadora. Como identifiquei-me com sua forma de ver o papel do educador na sua totalidade. Devemos ser profissionais capazes de contribuir na formação do cidadão como sujeito, capaz e participativo. Partindo sempre da realidade em que este se encontra seja cultural ou social. Usar o espaço escolar para criar nos educandos uma consciência crítica, que os façam reconhecer sua posição social e a partir daí haver um processo de transformação, pois o mesmo quem vai identificar o que julga necessário para seu crescimento cultural, político, social, etc.
"Educar é ensinar o aluno a pensar"- Paulo Freire.
Todo esse processo de transformação gera a inclusão social, onde o professor ultrapassa as paredes da escola, e contribui com o educando para a vida toda.
Estamos em processo de transformação. Por que não? A UFRGS lançou o desafio intelectual e tecnológico em nossas vidas no papel de EDUCADORA, apontando caminhos e sugerindo idéias. Contribuiu para nossa inclusão digital, ferramenta essa que nos leva a interação a ponto de nos inserir em uma sociedade ainda melhor. Vou encerrar minha contribuição citando o seguinte pensamento:
"A maior descoberta de minha geração é que os seres humanos podem modificar suas vidas apenas mudando as atitudes mentais". Beijos a todos e bom descanso!!!

Olá! Me chamo Aline Alves de Souza e quero compartilhar com todos a alegria de estar fazendo um curso de graduação que muito está transformando minha vida e ainda tem a transformar, tanto profissional quanto pessoal.Creio que vem a nos engrandecer como profissionais engajados em uma educação de qualidade, que tanto lutou Paulo Freire, onde afirmava que "ensinar não é transferir conhecimentos, mas criar a possibilidade para a sua produção ou a sua construção". A interação com as tecnologias nos ensinaram muito.Sou a favor de desenvolver em nossa escolas o letramento digital,para tornar o processo educacional mais dinâmico e menos monótono, além de enriquecer nossas aulas.Já dizia Paulo Freire que "temos de ser homens e mulheres de nosso tempo e empregar todos os recursos disponíveis para promover a grande mudança que nossa escola está a exigir".

Olá !
Sou Aline do pólo de Alvorada e concordo com tua fala , e principalmente com a citação do sábio Paulo Freire, mesmo assim a escola poderia ter mudado muito mais com ele. Que bom que ele existiu e não deixa de existir em cada um de nós que neste semestre passamos a admirar ainda mais suas obras.
Beijos a todos.

OLÁ COLEGAS !!!!
Sou Andréa do pólo de Gravataí, não domino as tecnologias e varias vezes tentei compartilhar com vocês nesta sala e apaguei tudo, mas graças as orientações da professora Suzana não apaguei os textos de vocês.
Esta conversa está muito boa, pois tem demonstrado a maneira de pensar de cada um e a busca pelo aperfeiçoamento através das leituras e idéias de grandes autores como Freire que nos instiga a acreditar no sonho, que é possível alcançarmos o que desejamos.