Olá, sou Maria de Lourdes Fippian dos Santos.

Eu sou discípula de Paulo Freire há muito tempo.É o pedagogo / filósofo contemporâneo que mais admiro.Inclusive o conhecí pessoalmente. A 1ª vez foi num Congresso de Professores em Goiânia,em 1982.Depois foi numa atividade na Reitoria da UFRGS, com o povo da Educação Popular.Mais uma vez num evento de professores em P.A.Sua figura cheia de energia amorosa passava coisas muito boas, nem precisava falar! Quando iniciava a sua fala mansa, mas forte em sentimento, com aquele seu sutaque pernambucano, era muito emocionante.
Já lí vários artigos e livros de Freire, porém acho que Pedagogia da Autonomia é um manual para nós professores.Com este formato fácil de manusear, subdividido em apenas três capítulos, com seus subtítulos, fica uma leitura muito prazeirosa!
O livro esclaresce alguns aspectos sobre a metodologia de P.F. Por exemplo: a questão do conteúdo- dizem os conteudistas que Freire não se preocupa com o conteúdo, assim também a questão de partir dos saberes que os alunos já possuem, da questão da autoridade do professor, na alfabetização utilizava a silabação ... Quer dizer coisas já entendidas até pelo senso comum...Sabem por que? Porque este método não deixa dúvidas de que lado está e a quem serve ! Isto no meu entender...
Destaco alguma poesia que encontrei nessas páginas:
"Gosto de ser gente porque, mesmo sabendo que as condições materias,econômicas, sociais e políticas, culturais e ideológicas em que nos achamos geram quase sempre barreiras de difícil superação para o cumprimento de nossa tarefa histórica de mudar o mundo, sei também que os obstáculos não se eternizam."-pág.60

"...a capacitação de homens e mulheres em torno de saberes instrumentais jamais pode prescindir de sua formação ética.A radicalidade desta exigência é tal que não deveríamos necessitar sequer de insistir na formação ética do ser ao falar de sua preparação técnica e científica."-pág.62
Falando da autoridade democrática:""se recusa,de um lado,silenciar a liberdade dos educandos,rejeita,de outro,a sua supressão do processo de construção da boa disciplina"-pág.105
"Ensinar exige respeito aos saberes dos alunos."-pág.33
Olá, sou Marli Joaquim, gostei muito da leitura de Paulo Freire, vindo contribuir para as minhas atitudes frente ao trabalho que realizo. O livro fala da importância do papel do professor no ensino aprendizagem, da postura em que o professor deva apresentar para que realmente se construa a aprendizagem.

Colegas ... Sou a Marta Capistrano. Gostaria de ter lido Pedagogia da Autonomia e de ter conhecido Paulo Freire desde o iníco de minha vida profissional. Algumas de suas reflexões eu já conhecia, mas sem aprofundamento ou contextualização de sua proposta educativa. Porém meu fazer diário pedagógico, esmo sofrendo influências de uma formação tradicional, sempre buscou transcender alfabetização apenas como processo de letramento, para a busca de uma leitura de mundo crítica e de transformação social.Mas não é tarde. Acho que posso contribuir muito ainda, aplicando em meu cotidiano educacional, as reflexões a partir do pensamento de Paulo Freire. Comungo da proposta de educar para a transformação pessoal, social e estrutural deste país.Penso ser miserável mesmo uma caminhada educacional somente pelo salário e auto-realização profissional. É preciso contextualizar a missão educativa numa proposta clara e objetiva de transformação e libertação, não apenas individual, mas coletiva e histórica, instrumentalizando pessoas com dignidade de reflexão, ação na atuação em todos os segmentos sociais. Desta forma podemos enfrentar as misérias humanas tão presentes em nosso tempo.