j0320116.gifBem pessoal... quem estava meio perdido e chegando agora, pode aproveitar esta salinha especial, puxar uma cadeira e começar o papo por aqui. :)
Mas não é que eu cheguei aqui. Tô a fim de sentar...
Quero desejar a todos um Feliz Ano Novo, cheio de realizações e muito amor!
Eeeeeeeeeeh!!!!!!! Finalmente tô na wikihistória!
Um beijão!
Sandra Oliveira
O quê? Sandra? O papo então é legal.



Eu mesma resolvi voltar à conversa. Andei viajando no Natal, mas acho que estou ficando viciada em computadores. Assim, achei uma lan house aqui em Capão da Canoa e estou dando aquela espiadinha básica nos papos por aqui.




Beijos e sejam bem vind@s!!!!!!!
É isso mesmo... mas um dia eu cresço... fico do seu tamanho e também vou deixar meus alunos em Gravataí, até lá as empresas aéreas não terão estes problemas, e eu estarei em meu aeromóvel...dando vôos rasantes...
Precisamos nos conhecer...
Professora estou suando para concluir meus trabalhos. Este curso está me mostrando o quanto sou capaz. Até estou sonhando em crescer...Virá gente grande...Por que não?
Beijos...
ccmdiary2e.gif KBtweetyxmasC.jpgEsta é a dica...Quem sou eu?
Estou muito inspirada...
Colegas da letra C vamos trocar umas idéias nesta sala aconchegante que a prô criou para nós?
Onde vamos fazer o encerramento do semestre?
Será possível tod os Pólos juntos?


Eu acho que podemos fazer um encontro bem legal...

Que seria um encontro bem legal seria mesmo. E pensar que quando foram lançadas atividades de visitar colegas de outros pólos os gritos foram altos....Mas de levinho a possibilidade se tranforma em realidade...

Oi pessoal, me desculpem me intrometer nesta sala, mas é que andaram deletando a minh sala, minha página, então resolvi entrar aqui também. E dizer que tem sido muito interessante esta atividade, pois nun ca me perdi tanto na vida como nestes caminhos, mas descobri uma coisa, sempre há outro caminho a ser seguido, basta que o descubramos. Se desejarem me visitar minha casa está aberta. minha casa está aberta para todos
Estou também na sala 02
Olá, andei por aqui há quase um mês atrás, depois não ousei mais com medo de fazer alguma trapalhada, enfim tomei coragem e estimulada por um convite em meu e-mail estou aqui novamente, puxei a cadeira sentei e agora quero papo...
Gisele.
Gisa? Não reconhece mais os amigos? è Mª Inês de Alvorada!
Te convido pois então, tome um chima e façamos uma trova:


Paulo Freire encarnado foi logo nos visitando,
queria saber direito como estávamos andando,
perguntou bem entonado:
- Pessoas criam,miam ou associam seus significados?
- Ora Paulinho!
Elas são os próprios sujeitos
de suas histórias quando incentivados.
Paulinho saiu se rindo no meio do aglomerado.
E eu fiquei ali, com cara de guarda chuva em dia ensolarado.

Oi gurias!
Aqui é a Suzana (da ECS, São Leo). Estou na praia e :) ...... lerndo os blogs de vocês e arrumando a bagunça que vocês fazem por aqui :) Beatriz, eu já reconstruí a outra sala . Vamos ver se dura!
Mas é assim mesmo. Wikis são uma proposta que brinca com nossos hábitos. É mais ou menos como receber o meu time de basquete para passar o fim de semana.
Bom, eu ando pelos blogs e pelo meu blog também. Tem até foto de vocês por lá :) >> http://www.gutierrez.pro.br/

Marion

lapis.gif Oi sou a Jucimara Medeiros e estou aqui para continuar minha participação na história. Na minha formação o que me marcou foi o meu micro estágio onde trabalhei com uma turma que tinha um aluno deficiente visual, para mim aquilo foi novo, pois não tinha tido nem colegas com qualquer deficiência, e estava ali como professora. Esta experiência marcou muito minha formação e hoje tento mostrar para meus alunos que não podemos descriminar ninguém, seja por raça ou por qualquer deficiência.

Oi, sou a Tânea, do pólo de Três Cachoeiras. Colega Jucimara, que bom que tocastes nesse assunto, pois também tive uma experiência parecida. É muito difícil trabalhar com alunos que são diferentes. Quando há um problema de comunicação tudo se complica mais ainda. É aí principalmente que procuro pensar nos ensinamentos de Paulo Freire que enfatiza muito a reflexão crítica sobre a prática, pois esta se torna uma exigência da relação teoria e prática, tando que sem esta última, a teoria poderia ficar vazia de sentido.

É colegas, as vezes é difícil saber como agir em determinadas situações. Nunca trabalhei com criança com deficiência visual, mas já com criança especial. No início parece difícil e, as vezes é. Mas, como diz Paulo Freire "não há pesquisa sem ensino, nem ensino sem pesquisa" e isso não se aplica somente em relação à conteúdo, mas também em relação a nossa forma de agir e encarar os fatos. Quando soube que receberia um aluno com uma determinada síndrome, busquei informações à respeito para fazer o melhor por ele e pela turma. Desta forma aprendi muito a situação.
Demorei para chegar, mas estou iniciando minha participação. Sou Andreia Borges do pólo de Três Cachoeiras.

27.gif Sou Sheila, de São Leopoldo,dei minha contribuição na sala 7,fiz uma pausa nas atividades durante as festas de final de ano pois fui viajar ,dei uma lida nos comentários e assim como a Jucimara e a Tânea,tive um aluno portador de uma deficiência nas pernas no ano de 2006, ele tinha certa dificuldade de se locomover,mas isso nunca o impediu de participar das aulas de Educação Física, adora praticar esportes e tinha um bom desempenho. Ele teve um ótimo relacionamento com os colegas e comigo também , não consiguiu atingir todos os objetivos ,mas compartilhou de situações de aprendizagens muito bacanas e nos ensinou muitas coisas...
Gosto de ser gente porque, mesmo sabendo que as condições materiais, econômicas, sociais e políticas, culturais e ideológicas em que nos achamos geram quase sempre barreiras de difícil superação para o cumprimento de nossa tarefa histórica de mudar o mundo, sei também que os obstáculos não se eternizam. (Paulo Freire 1996, p. 60).
Os obstáculos existem, mas não nos impedem de compartilhar, interagir e intervir no mundo.O modo como encaramos os obstáculos é que limita nossa atuação na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.
anjo033.gif
Abraços
Sheila

Oi pessoal, sou a Sabrina do pólo de Gravataí, e tenho uma história de aluna com deficiência visual também. Mas o que agravou o problema é que ela também tinha um leve problema mental, então tudo atrapalhava. Com vergonha digo que desisti, saí da escola pois não me achava em condições de atendê-la e ficava muito frustrada. Estava com um começo de gravidez difícil e assim foi mais fácil "me justificar". Agora acho que conseguria encarar, e ainda me virão mais muitos alunos com estes problemas para eu me redimir um pouco desta omissão. Um abraço a todos!

Oi Sabrina sou a carmen cristina tua colega de polo. Realmente é chato a gente rever situações que nos parecem desistências, mas na verdade, nós enquanto educadores, sempre sentimos as situações que ultrapassam nossa condição de auxílio positivo, acredito que para ti, esta situação foi uma destas. Para mim , ainda bem tiveste a consciência de passar o atendimento para outro profissional, isto é ser educador, ter
consciência de suas limitações. Com certeza agora saberás como lidar com segurança neste tipo de caso. Abraços Cris

Oi Sabrina, sou também tua colega de pólo. E te admiro por ter tido coragem de tomar
essa decisão de desistência, sei que foi em função do momento que você estava passando,
que era delicado. Melhor tomar essa decisão e não deixar o sujeito de lado em um
canto da sala, vendo-o como um "incomodo". Fico triste quando vejo ou fico sabendo
de profissionais que não procuram auxílio e também não se envolvem para ajudar o sujeito
e deixando-o de lado, como se não fosse um ser que precisa ser respeitado, amado, admi-
rado.
Reafirmo que foi uma decisão bem tomada, e com certeza estará melhor preparada
para uma outra decisão.
Abraços Liege
Ana Beatriz
Até que enfim, consegui chegar, antes tarde do que nunca. Escrevi duas vezes e acho que fui deletada, pois quando fui ler não encontrei mais o que tinha escrito. Sou do pólo de Gravataí, e como as colegas, já presenciei em minha escola problemas com alunos deficientes. Lembro que no ano que iniciei, tivemos na pré- escola uma aluna cadeirante e com outrs complicações. A mãe da menina tinha que ficar a tarde toda na escola, pois a mesma precisava trocar as fraldas e ser carregada para entrar na sala, então quem fazia isso, era sua mãe. Foi muito complicado, mas o pior é que a criança não teve tempo de se acostumar, pois acabou falecendo no segundo mês após o início das aulas. Pessoal nunca tive experiência com crianças com problemas ou deficiências. Mas sei que é bem complicado, e sejamos realistas não é falta de vontade, é falta de conhecimento mesmo. Acho que poderíamos ter em nossa primeira formação para professor , uma disciplina que nos desse maior orientação e conhecimento sobre essas crianças com deficiências.Acredito que assim não teríamos tanto receio em enfrentar essa realidade que esta cada vez mais próxima a nós.




borboleta.gif
Olá! Sou Aline do polo de Alvorada

Cheguei voando, mas com atraso!
Quero muito participar, só não sei bem o que dizer?

QUERO DEIXAR MINHAS MARCAS


barra25.gif
Era para falar sobre ser professora, então vou seguir a moda da trova
ser profe é muito bom,
é pra quem acredita na educação
quem acha que o mundo tem jeito
e trabalha com o coração!
por isso sou borboleta
todo o dia desta profissão
podemos viver uma transformação
isso só não acontece com a nossa remuneração
mesmo assim é muito bom,
encerro por aqui minha participação!



Olá, sou Débora do Pólo de Gravataí!
Até que enfim consegui chegar aqui!
Fazendo a atividade 2 de ECS, visitei um blog bem legal, chamado Zaptlogs. Dele retirei
esse texto de Rubens Alves, e que quero mostrar para vocês:

Gaiolas e Asas

"Aforismos são visões: fazem ver, sem explicar.
Pois ontem, de repente, esse aforismo me tocou:
Há escolas que são gaiolas. Há escolas que são asas.
Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo.
Pássaros engaiolados são pássaros sob controle.
Engaiolados, seu dono pode levá-los para onde quiser.
Pássaros engaiolados sempre têm um dono.
Deixam de ser pássaros.
Porque a essência dos pássaros é o vôo.
Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados.
Os que elas amam são os pássaros em vôo.
Existem para dar aos pássaros coragem para voar.
Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer,
Porque o vôo já nasce dentro dos pássaros.
O vôo não podeser ensinado.
Só pode ser encorajado.