Meu nome é Graziela Maria Maus e também me orgulho muito de dizer que sou alfabetizadora. Das séries iniciais é a mais desgastante e ao mesmo tempo gratificante, pois depois que tu vê aqueles pequeninos lendo, tu chega a conclusão que teu trabalho valeu a pena. Cada vez que meu aluno `lê , fico muito emocionada, e isto não é mentira, isso prova que realmente eu gosto de alfabetizar.



ddei povo! Sigam a história lendo de onde pararam no último acesso , neh....




Colegas!

Já vi ali na página das apresentações que tem muitas colegas alfabetizadoras. Não sei se tem algum colega :)


Segundo Paulo Freire, a leitura do mundo precede a leitura da palavra. Colegas, como vivemos isso em nossa sala de aula?
Eu acho que vivemos isto, ouvindo os alunos, porque eles tem a forma de ver o mundo, cada um diferente de outros.Paulo Freire falou que os alunos falam palavras, grávidas de mundo, isto quer dizer na minha opinião, eles falam da vida, como ela é, como eles pensam dela...Tania

Alfabetizar é um processo político, cultural e social, pleno de significados, de sentimentos, de sonhos, de possibilidades. Roselaine
Ana Beatriz
Acredito que para ser alfabetizador(a) temos que gostar do que fazemos, vejo em minha escola, colegas que fogem de uma turma de 1ª série. Percebo que fazem bem, pois só ensinamos bem quando temos prazer naquilo que desenvolvemos. Só quem trabalha com alfabetização sabe o quanto é gratificante e lindo ver eles começarem a ler as palavras. Uma colega um dia me disse:
- As crianças para mim são como pipocas, uma após a outra explodindo para o mundo das palavras.
Espero poder sempre dar a motivação necessária para que minhas crianças possam sempre explodir!

Luciana Peres
Olá pessoal,eu sou "alfabetizadora de primeira viagem" este ano de 2006 que já esta acabando é o meu primeiro ano trabalhando com primeira série,confesso que fiquei com medo,e no começo do ano não tinha idéia por onde iria começar mas com o passar do tempo fui me apaixonando pela alfabetização apesar de todas as dificuldades que encontramos pelo caminho,é realmente como diz a nossa colega Ana Beatriz,muito gratificante

Oi colegas, sou a Edilaine, trabalhei muitos anos como alfabetizadora, usei diversos métodos para alfabetizar e enfim cheguei aos níveis de alfabetização, o qual me deu muito trabalho até entendê-los. Sempre digo a minhas colegas: Toda professora deveria trabalhar pelo menos um ano com alfabetização, com certeza veria seu alunos de outras séries com outros olhos. Teria mais facilidade para entender o crescimento de seu alunos.

Sou Marinês de Medeiros e escolhi falar sobre alfabetização , pois trabalhei com 1ª série, doze anos e ainda sinto a emoção das primeiras junções de letras e sílabas feitas pelos alunos, isso é muito gratificante entrar o ano letivo sem entender o mundo das letras e números e chegar no final descobrindo esse universo maravilhoso que é a leitura. Temos que ter em mente que a alfabetização não termina aí, muito pelo contrário, nas séries seguintes damos continuidade a esse processo que acompanhará o aluno a vida toda.
KBtweetyxmasA.jpgESTÁ CHEGANDO O NATAL, época de repensarmos o que fizemos durante o ano que passou;
VAMOS REPENSAR?
Eu sou Ana Cláudia Del Monego, e durante dezoito anos de magistério, em quatroze fui alfabetizadora. É, justamente na alfabetização que me sinto realmente Educadora, mas nem sempre foi assim. Durante alguns anos na profissão fui daquelas professoras que utilizavam métodos: da abelhinha, das colres, das famílias silábicas e, sei lá mais o que existia. Foi quando, desculpem, mas vou repetir uma história que já contei antes, fui trabalhar com a colega Katia Bahnert, no Colégio Érico VEríssimo e a Sônia Barbosa, que conheci o que realmente era alfabetizar. Com elas, conheci o GEEMPA, Ester Grossi, Paulo Freire e outros, a parti daí, minha vida e de meus alunos mudaram completamente. Passei a ler muito, matar minha curiosidade sobre essa coisa tão fantástica chamada ALFABETIZAÇÃO. Adoro as leituras sobre Freire, pois para mim ele foi o grande norteador da mudança educacional em nosso país, costumo dizer que temos duas divisões AF/DF, e só tenho que agradecer a minha transformação educacional aos colegas que Deus colocou em meu caminho. Mais uma vez, estava quase esquecendo de eu grande companheiro Nelton Dresh, que trabalhou comigo no município e continua ainda dando aulas na UFRGS, ele nos deu o norte sobre Educação de Jovens e Adultos na Escola Gentil, tudo baseado na proposta de Educação Popular Freiriana.
Agora, vou parara um pouco, pois sempre que lembro dessa parte de minha vida fico emocionada, pois infelizmente, cada um de nós tomou um rumo diferente e, hoje está mais difícil de nos comunicarmos. Mas estou muito feliz de poder partilahr com esse grupo essa pequena passagem de minha vida profissional. Quem sabe outra hora eu conto mais.
Parabéns a nós heróis da Educação 180px-Paulo_Freire_caricat.jpg

14878.jpgOl@!!!

Eu sou a Ivanize e adorei esta roda de conversa:
falar de alfabetização é sempre um prazer,
compartilhar e socializar idéias, medos e vitórias também é muito bom, e só nos faz crescer!!!
Depois que iniciei o trabalho nesta série aprendi muito sobre educação, infância, construção do conhecimento, ...
entre outras "cozitas"...
Já dizia Paulo Freire
"quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender"
E acho que todo educador deveria passar por essa experiência, e ter a oportunidade de aprender muito com as crianças, para refletir e rever sua práxis...
Pois, foi o que aconteceu comigo!!!
É extremamente importante a reflexão da prática pedagógica, pois a nossa profissão exige constante avaliação, e de forma crítica!!!


Agora, respondendo a pergunta da Tania:
Como vivemos isso ( a leitura do mundo) em nossa sala?
Acredito que não temos como planejar uma aula sem considerar os conhecimentos prévios, o contexto que está inserido e as experiências dos alunos...
Concordo contigo Tania: é preciso ouvir os alunos!!!
Para isso o professor deve ter SENSIBILIDADE... "ensinar exige respeito aos saberes dos educandos"

balao.gif
OI, colegas. Sou Simone Garcia, tutora do pólo de Sapiranga. Adorei este espaço para discutirmos um pouco/ um muito sobre alfabetização. Trabalhei durante 10 anos com 1ª série e foi aí que aprendi a gostar do meu ofício. Foi naquela vivência maravilhosa que eu me fiz professora /alfabetizadora, com todos os medos, angústias, alegrias e curiosidades inerentes ao ato de alfabetizar. Hoje, me sinto à vontade em trabalhar com qualquer turma das séries iniciais, pois através da observação e de muita leitura, aprendi a aprender como a criança aprende.
Queria chegar, exatamente nesse ponto. Ao meu ver, é indispensável que o/a professor/a conheça, interprete Piaget, Vigostky, Gardner, Emília Ferreiro, Paulo Freire, entre outros. Digo isso, porque inúmeras vezes já ouvi colegas, ou eu mesma no início da minha carreira, estufar o peito e dizer que utiliza um método próprio para alfabetizar. Quanta responsabilidade!!!!
Os estudiosos que citei acima dedicaram uma vida toda, ou parte dela, para, científicamente, desvelar o segredo do "aprender", e de uma hora para outra, nós nos fazemos doutoras no assunto, com nenhuma concepção científica.
Particularmente, li muito sobre alfabetização. Quando pensei que entendia do assunto, surgiu Emília Ferreiro com os níveis de conhecimento. Fui `a luta, li tudo a respeito. Fiz um paralelo com a minha prática e o que eu lia. Bingo!!! Muitas das minhas angústias, atitudes equivocadas com meus alunos deixaram de existir. Muito bem, estava mais ou menos inteirada do assunto! Aí, ouvi falar sobre um tal de Gardner e me deparei com as múltiplas inteligência, 7 inteligências. Hoje já são 8. Automaticamente me perguntei; será que estou dando conta do recado com tanta inteligência para cuidar?
Com essa reflexão, gostaria de deixar meu recado a respeito da importância da leitura para o profissional que trabalha com alfabetização. Devemos unir conhecimento com sensibilidade, aí sim, seremos "quase" invencíveis.


O sucesso na alfabetização não depende só do método que usamos, mas sim como usamos.O saber fazer conta muito a favor de uma prática pedagógica onde seremos quase invencíveis, como disse a colega Simone Garcia.
(Izolete-Alvorada).

Olá colegas.
Sou Stela Maris, de Arroio do Sal.
Professora alfabetizadora há 10 anos.
Meu chão.
É o que mais me realiza, o que sei fazer de melhor.
Amei esse espaço. Tenho certeza que contribuirá muito na nossa vida profissional e pessoal.
Paulo Freire coloca essa fala - leitura do mundo - para designar a oralidade através do nosso olhar pesquisador. Podemos "ver" tudo o que vivemos e, a partir daí, expressamos pela nossa fala tudo o que vivemos.Juntamante com o exercício de traduzir nosso olhar sobre o que vivemos emitimos nossos juízos: gfalamos do nosso saber, ouvimos outros saberes e organizamos tudo isso, permitindo asssim um novo conhecimento, para nós e para os outros.


Oi Colegas!CD5.gif
Meu caso é igual ao da Luciana Peres: novata na alfabetização. No meu caso ainda, sou novata no magistério. Então pegar a primeira série foi um susto para mim, porque não tinha de material e tampouco de experiência. Entre amigos e vizinhos, fui adquirindo material e pensando em como alfabetizar. E hoje, todos meus alunos estão lendo, prontos para ir para a 2ª série. Confesso que estou apaixonadaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!! Esse trabalho é cansativo, mas é muito gratificante! Estou realizada!! E como uma colega disse, o professor que alfabetiza muda sua visão sobre aluno sim... e sobre muitas outras coisas!!!
Abração!! Cristina Noschang


Olá colegas! Sou Maria de Lourdes Guedes, do polo de Sapiranga.
Colega Cristina, ao ler a tua participação, lembrei de quando eu iniciei na alfabetização, cheguei novata na escola,recém saindo do estágio, e eis que me aguardavam para substituir a professora da 1ª série que entrou em lincença,que bom que foi assim, me apaixonei e continuo até hoje com a alfabetização. Acredito que não há um método único que contemple todas as necessidades de aprendizagem do aluno. Precisamos conhecer o nosso aluno, as suas necessidades, suas preferências para então planejar o nosso trabalho. Comparo a nós alfabetizadores no início do ano letivo, com o médico quando faz o seu diagnóstico, não é fácil. Precisamos conhecer e respeitar as diferenças dos nossos alunos, considerando vários fatores como, se ele cursou a educação infantil, se ele conta com apoio e incentivo da família para despertar o interesse e o gosto pela leitura.Alfabetizar exige amor e dedicação. É muito gratificante quando o meu aluno descobre que é possível viajar, sem sair do lugar, através da leitura, me realizo quando cada um deles, cada um no seu tempo
inicia a sua viagem.
013l.gifBeijos a todos!

Olá pessoal! Que idéia genial ter criado este espaço para falarmos sobre alfabetização. Trabalhei durante 6 anos com 1ª série, cada ano foi uma descoberta. Concordo que é difícil dizer que uso método tal, pois cada turma, cada experiência nos faz ampliarmos nossa metodologia. Fico feliz em estar aqui com vocês.
external image frase_freire.jpg



educacao.gif
Meu nome é Veridiana dos Santos DO POLO DE SAPIRANGA, tenho 28 anos e sou professora alfabetizadora.

Trabalho no município de Sapiranga, que é conhecido como Cidade das Rosas. Já leciono à 8 anos e à 6 com alfabetização, onde me apaixonei! Gosto muito da minha profissão e é onde me realizo. Principalmente por receber o carinho sincero das crianças e perceber a cada dia seu crescimento e progressos na aprendizagem.

" A EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DE LIBERDADE, AO CONTRÁRIO DAQUELA QUE É PRÁTICA DE DOMINAÇÃO, IMPLICA NA NEGAÇÃO DO HOMEM ABSTRATO, ISOLADO, SOLTO, DESLIGADO NO MUNDO, ASSIM TAMBÉM NA NEGAÇÃO DO MUNDO COMO UMA REALIDADE AUSENTE NOS HOMENS."(FREIRE, 1975,p.81).

Tenho minha metodologia caracterizada pelos ensinamento de Paulo Freire, que busca valorizar o que o indivíduo já sabe, trabalhando com a sua bagagem de conhecimentos.boy_math_md_wht.gifmenina1.gif
Acho que é um grande presente de Deus, minha profissão; poder alfabetizar!
florezin.gif



gatos01.gifOlá colegas!!! Estou adorando participar deste espaço, pois tudo o que envolve alfabetização me interessa. Trabalho com 1ª série há 18 anos, e cada vez mais me realizo em cada progresso dos meus alunos. Nestes anos todos com 1ª série descobri que para termos um resultado positivo com os alunos é preciso gostar muito do que fazemos,ter muita dedicação e esperar com paciência o momento de cada um para a leitura. Temos que levar em conta a realidade vivenciada pelo aluno, pois nem sempre as situações trazidas do ambiente familiar contribui para que tenha um sucesso imediato. Nada é mais gratificante, quando vemos os alunos aflorando para a leitura e produzindo pequenos textos. Todos os professores deveriam trabalhar pelo menos um ano com 1ª série , dessa forma se dariam conta que a alfabetização continua nas séries seguintes.
Ilsa Machado do Pólo de Alvorada.















Inês Cristina - Pólo Alvorada

welcomefriends.gif


Colegas sou a Maria Eliane alfabetizadora há bastante tempo e amo alfabetizar.
Sei que a caminhada é longa e difícil, mas também de muitas alegrias e satisfações. Garfield_com_flores.gif
Para alfabetizar é necessário gostar do que se faz.
Já trabalhei com outras séries, mas a que me realiza mesmo é a alfabetização.
Adoro trabalhar com os pequenos.
Ás vezes tenho alunos com uma faixa etária maior do que para a primeira série.
Já tive alunos com mais de 10 anos, é um desafio bem grande.
Concordo com a colega Ana Beatriz quando diz que muitos professores fogem da primeira série e se esses professores soubessem o que é alfabetizar, como é gratificante, isso não aconteceria.
Também concordo com a colega Edilaine que todo professor deveria trabalhar com a primeira série.

Sou Marlene, do Polo de São Leopoldo, também sou alfabetizadora a oito anos acho que é a série onde eu mais me realizei como professora , a cada dia você mudanças na aprendizagem. Nós vamos ter em 2007 a primeira série de 6 anos , vai ser uma experiência nova na minha escola. Essa troca de expiriência é ótimo.


Sou Raquel, de São Leopoldo. Quando vi o link "Alfabetizar" fiquei curiosa e adorei ler o relato das colegas.
Me identifiquei principalmente com a colega Luciana Peres e Cristina Noschang porque é primeiro ano que trabalho com alfabetização.
No ano que vem vou alfabetizar novamente, fiz esta opção porque amei a primeira série!!!
È uma etapa de muito trabalho e grandes desafios, por isso muitos professores fogem .
Não tem como explicar a satisfação que alfabetizar trás para o educador, só experimentando. E essa oportunidade todos deveriam ter!!!

Sou Loiva, do pólo de Três Cachoeiras, alfabetização é um tema que sempre me chama atenção, na escola que cursei o magistério todos realizavam o estágio com classes de alfabetização, muito bem acompanhados e assistidos, pela responsabilidade que representava este trabalho.Nosso supervisor partia do princípio que, o professor que passasse por esta experiência estaria pronto para trabalhar com qualquer outra série.Foi no meu estágio que me apaixonei por ser professora,
provavelmente pela experiência maravilhosa que me foi oportunizada, depois de 23 anos de magistério ainda tenho lembranças muito vivas desta experiência.Alfabetizar realmente é uma paixão.

E o supervisor tomava esta experiência como fundamental. Acreditava que o desafio de alfabetizar levaria suas alunas, futuras professoras, a perceber o sentido das palavras de Freire: "Não posso ser professor se não percebo cada vez melhor que, por não poder ser neutra, minha prática exige de mim uma definição. Uma tomada de posição. Decisão. Ruptura." (Matilda)

cat_sleeping.gifOi! Colegas! Resolvi visitar este link por que depois de muitos anos lecionando esta é a 1ª vez que estou incluida como professora alfabetizadora. Adorei o desafio.
Lendo os comentários das colegas, concordo com a minha colega de escola e de curso Maria Eliane, quando diz que muitos professores fogem da 1ª série, e se soubessem o quanto é gratificante, assim como eu que fugi todos estes anos e não sabia a grandeza do percurso. Posso dizer com todas as letras que agora me sinto completa na arte de ensinar!!!
Já ia esquecendo de me apresentar: Sou a Bete Neto do Pólo de São Léo.


Olá colegas,quando vi esta sala não resisti,e resolvi que contar que já alfabetizei, mas adultos. Foi uma experiência muito gratificante. Meus alunos estavam na escola com o objetivo de aprender a ler e escrever, pois não tinham tido oportunidade na idade certa. Eles tinham paixão por aprender e eu aprendi a ter paixão por ensinar. Juntos percorremos uma trajetória não apenas do despertar para o mundo letrado,mas também revivemos conceitos sobre cidadania,ética e troca de ideais para nossa vida.Trabalhei por quatro anos com EJA,tenho saudades e boas lembranças.Beijos,Maria Pinto Bitelle, Pólo de Gravataí.

Olá colegas, sou do pólo de Sapiranga REGINA,sempre trabalhei com 2ª séries e hoje estou com uma pré escola, e vejo que a alfabetização é algo muito sério, e gratificante.Já tenho aluninhos quase lendo e vejo que não é só na 1ª série que a alfabetização acontece, e sim desde que a criança se encontra preparada para tal.a alf. é um longo processo que se inicia e deve continuar em todas as séries.Paulo Freire diz :"Ensinar exige alegria e esperança,nós precisamos ousar para mudar" .

Olá colegas, sou a [ [Sandra Rocha]] do pólo de Alvorada e trabalho com alfabetização. Concordo com a colega Regina, a alfabetização é algo muito sério e também muito gratificante. É uma satisfação que não tem preço, acompanhar a contrução diária dos alunos e não deveria acontecer só na 1ª série, deveria ser um processo contínuo, é uma pena que muitos educadores não tem essa visão.


002l.gif

Oi Sandra

Concordo contigo!!! O tipo de trabalho que fazemos na 1ª série, deveria ser nas séries seguintes também!!! A visão que temos sobre educação é muito diferente de muitos colegas nossos...


Exemplo clássido de final de ano:


Dezembro, muitos alunos já estão aprovados, mas aqueles que ainda não apresentam condições para serem aprovados, costumamos apostar até o último dia!!! sempre ficamos esperando por aquele "estralo"... às vezes parece que ele vai acontecer a qualquer momento!!!
E a gente sabe que tem colegas que no início de dezembro já estão com suas listas de aprovados e reprovados prontas! Não apostam muito naqueles alunos que precisam de um atendimento diferente!!!

"Ouvindo" as conversas percebi que muita gente aprendeu a alfabetizar na prática... É no dia-a-dia é que se constroem as receitas, e as teorias fazem sentido!!!
Lembro nas minhas aulas de "Didática da Alfabetização" que Paulo Freire, Emília Ferreiro, Piaget,... não faziam muito sentido!!!

bubleemenor.gifPois é,fim de ano o que fazer com aqueles alunos alunos que estão quase lá? Não parecem tão bem para acompanhar uma 2ª série e seria um pecado faze-los começar tudo de novo pois já sabem bastante! Difíil decidir. Vivenciamos isto todos os fins de ano nas escolas em relação a 1ª série e o que fazer? Sempre acredito que devamos apostar em nossos alunos e na professora que irá trabalhar com este aluno na 2ª série e também apostar na família que deve ser a principal responsável por este aluno. (Edilaine)

Ola colegas! Também sou professora alfabetizadora e adoro a arte de alfabetizar,pois para mim alfabetizar é uma arte e para mim especial,ninguem pode imaginar o prazer que sinto ao ver uma criança começando sua caminhada para a alfabetização suas primeiras produções escritas suas primeiras leituras de pequenas palavras,é emocionante.Na minha escola ha colegas como disse outra colega do polo logo ai acima,que fogem das series iniciais principalmente da primeira serie ,e como a colega disse,que bom pois quem não gosta desta tarefa não deve faze-la ,pois esta deve ser feita com muito amor e dedicação.Sandra V Alves

Este é um tema que para mim é muito prazeroso de se falar.
Minha primeira experiência como professora foi numa 1ª série e desde então, não sai mais. Já trabalhei com outras séries e hoje posso dizer com certeza que é aqui que me sinto bem.
Contando um pouco da minha entrada “triunfal” como alfabetizadora, sempre digo que meus primeiros alunos foram minhas cobaias e eu fui cobaia deles. Estávamos todos ali no mesmo barco “aprendendo”.
Divirto-me muito quando eles estão ajudando uns aos outros e de repente um chega e diz para mim: “professora eu não agüento mais este guri ele muito burro, eu fico repetindo e ele não aprende”.
Quando os meus alunos vão além do que ensinei, isto sim que é gratificante.
Paulo Freire entrou mesmo na minha vida em 2005, quando comecei a trabalhar com a alfabetização na EJA. Meus alunos da EJA são crianças grandes, são apaixonados por mim e me chamam de mãe, não admitem ir para outra série, dizendo sempre que se for para outra série vão abandonar os estudos, são mesmos crianças e crianças birrentas.
Abraços! Beth Koch

estrelinha.gifBeth, realmente nossos primeiros alunos acabam sendo nossas cobaias, mas acredito sinceramente que não são apenas nossos primeiros alunos, pois estamos sempre em mudanças e transformações sendo que cada novo dia nós apresentamos aos nossos alunos algo novo e acabamos testando com eles mesmos se aquele novo método ou nova proposta irá ter êxodo ou não, assim como nossos alunos somos eternos aprendizes e que bom que tudo isso acontece, pois jamais devemos achar que sabemos o suficiente, porque então estaríamos enganando nós mesmos. Parabéns! Percebi que és uma mulher de muita garra.Precisamos fazer sempre esse tipo de reflexão, pois acredito que só temos a ganhar com a troca de experiências.
Sobre alfabetização posso dizer que como trabalho com uma turma de maternal a alfabetização começa a se fazer apartir das descobertas do aluno, onde ele é estimulado a observar o mundo que o rodeia e de acordo com o seu desenvolvimento ele passa a fazer suas próprias observações, então a gradativamente o processo de alfabetização começa a envolver o aluno sem que ele ao menos perceba. É muito lindo ver uma criança diferenciar letras de números, dizer essa letra é da minha mãe e esta é a letrinha do meu coleguinha. Acredito sinceramente que a alfabetização começa a se dar não apartir de métodos miraculosos mas sim apartir do envolvimento que o professor estimula o aluno ter pelas letras, formas, imagens ...
Bjs e até mais.
Patricia Barbosakid_pegando.gif

Olá colegas!
Sou a Daniela, tenho pouco tempo no magistério e nestes útimos anos trabalhei com três turmas de 1ª série. No in´cio foi complicado alfabetizar, mas fui pegando dicas com as colegas e hoje continuo aprendendo e já alfabetizo com facilidade.
Adoro trabalhar com os pequenos e faço por opção, porque gosto muito. Li no relato acima de

uma das colegas que em sua escola há professoras que não gostam de trabalhar com as 1ªs

séries, mas acho isso um preconceito, pois só iremos gostar se experimentar, logo se pega o
jeito. Eu amo! E vou continuar o em 2007 alfabetizando...
Daniela Albrecht
022.gif
Olá pessoal sou RosimariAlmeida, do pólo de Sapiranga não sou alfabetizadora e não levo jeito para este trabalho, mas admiro quem tem esse dom, pois sempre digo que ensinar ou despertar na criança essa explosão do conhecimento dos sons ou símbolos das letras é fantástico e també de uma grande responsabilidade. digo que não levo jeito porque ficaria muito insegura quanto ao modo de ensinar, se de repente a criança acaba tendo dificuldades
com as quais eu não saberia lidar. Mas ainda bem que existem aquelas pessoas que amam alfabetizar, senão quem estaria no carro-chefe da educação escolar? Beijos.
1.gif



Cleci Porsch - Polo Sapiranga
Quando visualizei o link "Alfabetizar", logo pensei: é aqui que vou deixar minha participação.Sou professora da rede municipal de Sapiranga. Trabalho há oito anos com alfabetização e gosto do que faço. Já trabalhei com outras séries, mas a que mais me identifico é a de ensinar o mundo da leitura e da escrita. Acredito que esta série é a que mais realiza o professor, pois percebo claramente o resultado de meu trabalho, através da aprendizagem dos alunos, por exemplo quando começam a ler as primeiras palavras, me faz sentir tão bem e feliz com meu trabalho.
Lendo as participações das colegas, vi que muitas não gostariam ou se sentem inseguras em trabalhar com primeira série. Eu que já trabalho há anos também pensava dessa maneira antes de vivenciar a experiência. Depois de trabalhar acabei gostando e agora não gostaria mais de ter outra faixa etária.
Em minhas aulas procuro sempre trabalhar na linha de Paulo Freire partindo da realidade do aluno, usando conteúdos significativos e interessantes e possibilitando a participação e troca de idéias entre os alunos.oficial.jpg


Fabiana V. Leal - Pólo São Leopoldo
Como a maioria das colegas, também faço parte deste time e sou muito apaixonada pela alfabetização. Quando iniciei como alfabetizadora, confesso que senti medo e muita insegurança, mas acabei aprendendo junto com meus alunos, a melhor maneira para obtermos sucesso. Sem dúvida, foi um ano difícil, pois afinal de contas, não podia falhar (ou deveria falhar o mínimo possível), em se tratando de seres humanos. Agora, vejo que a cada ano que passa, as aulas ficam melhores, pois a prática nos dá experiência e através desta, podemos concertar os erros e aprimorar o que está dando certo. É indescritível a emoção que sinto a cada aluno que descobre o mundo da leitura e da escrita. Hoje, não troco esta série por nenhuma outra!!!


Cristiane Ramos- Pólo Alvorada
Nossa gente como foi dificil conseguir chegar aqui...
Também trabalho com alfabetização. Percebo a cada dia que passa que estou sempre aprendendo com meus alunos, a cada ano sempre enfrento novos desafios. Adoro acompanhar o crescimento na alfabetização de cada um, ver a evolução nos níveis da escrita. É maravilhoso quando um aluno começa a ler, e saber que de alguma forma pude contribuir para isso.
Concordo com a colega Maria Inês quando diz que muitos professores brigam para não lecionar em uma 1 série, pois nossa responsabilidade é muito grande, precisamos encontrar várias alternativas para que todos consigam aprender.


Oi gurias estou nesse time e sou uma apaixonada, não costumo dizer que sou uma alfabetizadora, mas que encaminho essas crianças ao mundo dos livros.Aprendo muito mais que ensino, é maravilhoso vê-los lendo e descobrindo as novidades, sei que acabo contribuindo com tudo isso.Comecei com ensino na 4ª série, mas resolvi partir para os alunos menores, e é uma satisfação participar do mundo dessas crianças.Seria muito importante que todas as colegas tivessem oportunidade de estar a frente de uma turma de alfabetização, pois aprenderiam muito mais e com certeza ficariam mais satisfeitas, pois realmente notamos o aprendizado de nossos alunos.Sou apaixonada e não me vejo longe desses pequenos.Cláudia Costa São Leopoldo

Olá colegas!!!
Mais uma vez, venho tornar público, a minha paixão pela alfabetização. Um dia, uma colega me disse que o professor que o aluno nunca esquece é o professor da 1ª série, e hoje, concordo plenamente com o que ela disse. Sem dúvida nosso trabalho é marcante, pois participar do processo de aquisição da leitura e escrita, é algo muito satisfatório. Sinto, que em algumas escolas, quando chega um professor novo, ele é jogado nuna turna de alfabetização, porque geralmente ninguém quer. Então, ve-se o descontentamento do professor e o trabalho nem sempre é proveitoso, pois como nossos alunos, faremos bem aquilo que nos interessa e que gostamos.
Abraços!!!
Fabiana V. Leal