Oí. Gente. estou aqui novamente, estive lendo todas as opiniões, reflexóes feitas na nossa página e me ocorreu que não fizemos uma história e sim diversos depoimentos , que, com certeza acrescentaram muito para nós e me fez lembrar do livro de Paulo Freire e Ira Shor, onde os dois trocaram experiências o tempo todo. Posso não ter feito a Wikistória corretamente mas me senti a perfeita escritora e e confirmo um dos dizeres de Paulo Freire, que ! Tudo é um sonho, sim um sonho, mas um sonho possível" E tudo o que fizermos pela Educação terá de deixar de um sonho, para se tornar possível, tchau gente Magali Borne


barrinhas.gif

Olá Magali, também já fiz esse caminho (sala 7) também vi que não escrevemos uma história, nenhum gancho foi seguido, não deu enredo, não foi história. É certo que não fizemos a wikistória corretamente, mas fizemos a leitura da nossa história e da história de outros colegas. Como Paulo Freire diz, vivemos a história e a transformamos em aprendizagem. Stela Maris/ Arroio do Sal.

barrinhas.gif

deixe aqui o seu depoimento


Oi colegas gostei do depoimento da colega, quando diz que existem professores na profissão errada, sempre reclamando de tudo, mal humorado, gritando com os alunos sem necessidade. Nossos alunos precisam poder acreditar que gostamos de ensinar. Como diz Paulo Freire, ensinar exige alegria e esperança. Há uma relação entre a alegria necessária a atividade educativa e a esperança. A esperança de que o professor e alunos juntos podemos aprender, ensinar, inquietar-nos produzir e juntos igualmente resistir aos obstáculos à nossa alegria. Ensinar e aprender com alegria é tudo o que queremos.Marlene S.Leobarra024.gif


Queridas colegas, ontem foi nossa festa de encerramento na nossa Escola. A preparação do "Presépio Vivo" ficou aos meus cuidados e da minha turma. Nós estamos em construção. Dois prédios da Escola foram demolidos e estamos lecionando em 4 salas, em três turnos. Não tinha lugar para ensaiar. Ensaiamos na pracinha, que é um ambiente de muita sombra. Envolvi os pais dos alunos nessa atividade. Uma mãe costureira prontificou-se em comprar e fazer as roupas dos artistas carentes e as outras mães racharam as despesas.
Um casal de pais armou um presépio de madeira (madeiras que sobraram da Escola demolida) e um avô fez a manjedoura e deu-nos o feno. A Escola,apesar das dificuldades financeiras, comprou todo o material que pedi(cola gliter,eva,botijas de argila, arrumaram um palco junto a Prefeitura de Gravataí). Não tínhamos lugar para as apresentações. A Secretaria de Trânsito fechou a rua dos fundos da Escola. Colocamos as cadeiras, enfeitamos tudo, durante aquela tarde de ontem, naquele calor abrasador. À noite, cada um que podia contribuiu com um prato doce ou salgado, que não perecesse com o calor, para a nossa mesa comunitária de Natal. Toda a comunidade foi convidada.Apesar do calor, nosso encerramento foi maravilhoso, comunitário e natalino. O presépio foi um sucesso. Houve coral das professoras, reflexão familiar feita por nossa Orientadora Educacional. Foi emocionante. Nada foi impecílio para o "nosso sonho que sonhamos juntos". O ano termina, as crianças não são nossas, são de toda a Escola, são de toda a comunidade e para transformarem e interagirem nesse meio é que devemos prepará-las. Minha turma vai para outro professor,eu irei para outra turma e com certeza nem eu e nem ela somos os mesmos. Terminamos o ano e começamos o outro bem melhores, porque um aprendeu com o outro e com certeza aprenderemos e trocaremos saberes com os outros. Isso serve para toda a comunidade escolar. Roselaine- Gravataí
Gurias, não se preocupem com a história, é melhor imaginar que mudamos de objetivos!! Vejam só o meu caso. Sempre fui
uma professora que luta a cada dia por realizar um trabalho de qualidade, pesquiso, me preparo, sei que devo ajudar na formação de pessoas autônomas e criativas. Mas sempre nesta época fico triste! Ontem foi a despedida do maternal/2006 e hoje estou com este pensamento melancólico. Eles, eu sei que tiram de letra! Mas eu, acho que não sou tão autônoma assim!! (Salete Schmist/São Leo).

Eu também fico melancólica nessa época! Hoje é dia 16/12, sábado! Dia 21 terminam as aulas! Também vou morrer de saudade dos meus aluninhos da etapa um! A maioria fez sete anos no decorrer de 2006, um fará no dia 28/12, outras duas em janeiro e um em fevereiro, antes das aulas começarem. Sempre fiz uma algazarra no aniversário de cada um, procurando mostrar o quanto cada um deles é importante, valioso mesmo, e agora a preocupação da turma é: O que faremos para os que estarão de férias? Aí eu disse: Vamos comemorar nos últimos dias! Eu tenho feito uma reflexão diária: O que foi positivo? O que foi negativo? Foi minha primeira experiência com alunos nessa faixa de idade! Espero que eu fique no coraçãozinho de cada um deles, assim como eles ficarão no meu! Espero que eles tenham gravado tudo de bom que construímos juntos neste ano! Mas sei que ainda tenho muito a melhorar...

Esta época do ano, véspera do Natal, por natureza ficamos mais sensíveis e meloncólicos, principalmentequem já passou por perdas de pessoas queridas. Também com final do ano letivo, fico triste sabendo que logo meus aluninhos que acompanhei durante dois anos vão para a terceira série, tenho duas segundas séries são 45 alunos , e apenas 3 não vão conseguir passar,mas o nosso regimento permite que esses alunos façam provas em março de 2007.Não tenho problema de alunos indisciplinados, pequenas desavenças acontecem mas , resolvo com eles na sala com uma boa conversa e regras a serem cumpridas.Vejo professores dando graças quando chega o final do ano, adeus alunos chatos, só sabem encomodar. Será que esses são professores por escolha consciente e que tem princípios éticos ou po obrigação, por que não sabe fazer outra coisa foi ser professor?

10717.jpgColegas quero compartilhar duas coisas, estou muito feliz com o Curso, me sinto mais necessária, tenho mais colegas, troco mais, pesquiso, leio, enfim cresci muito nesses poucos meses e olha que não foi em tamanho poque só tenho 1,51 m.Neste ano trabalhei com a primeira etapa da primeira série, foi uma ótima experiência, trabalhei em prol de meus alunos e propiciei a eles muitos momentos prazerosos, como passeios, teatro, brincadeiras, banho de piscina, lanches gostosos, pipoca, cama-elástica, colo, ........Acho que eles nunca esquecerão este início de vida escolar, gostaria de também ter tido um início assim, lembro muito da minha infância, e sempre gostei da escola ,mas o que mais me recordo é de um sorteio de um pacote de bala, que não ganhei e fiquei muito triste. Ainda bem que não reproduzimos o que não foi legal conosco com nossos alunos, por isso com a chegada deste final de ano me sinto muito bem e também pelo meu relato no blog sobre um episódio que não tem preço, que me lembrarei pelo resto da vida.

noel.gifColegas como vocês, eu também estou cansada pois o ano foi bem puxado, além de tantas atividades que temos que desenvolver em nossas escolas, temos agora que dar conta do tão sonhado curso de graduação. Apesar do desgaste físico e mental estou muito satisfeita por ter aprendido tantas coisas em tão pouco tempo e também por ter cumprido tão bem com os meus deveres neste ano.
Participando do projeto de artes da escola pude atender todas as turmas, contribuir com o trabalho de minhas colegas e também conhecer cada aluno, interagindo com eles o quanto pude aprender e ensinar.
As apresentações de final de ano em minha escola também foram emocionantes, cada turma preparou uma música para cantar a magia que o Natal representa e o grupo de professores e funcionários também( os alunos adoraram).
Ainda tivemos a apresentação do grupo de teatro da escola, que coordeno junto com as colegas da biblioteca,onde encenamos a peça de Maria Clara Machado " O burro e o boi em Belém". Foi simplesmente fabulosa a atuação dos alunos, que a cada trabalho se aprimoram mais.E para encerrar a programação as meninas do grupo de dança, o qual eu também coordeno, animaram a todos com suas coreografias que contagiam pela alegria e graça transmitidas.
Enfim todos nós estávamos emocionados, professoras e familiares, em ver como nossos alunos cresceram e se desenvolveram neste ano participando com alegria das atividades da escola.
Agora ficamos com um pouco de saudade, mas precisamos usufruir do merecido descanso, renovando as baterias para no ano que vem podermos aprimorar a nossa prática, planejando outras ações, aprofundando alguns conhecimentos,ampliando os horizontes .
Tudo isso porque amamos o que fazemos, que é ensinar!!!!! Um feliz Natal para todos nós e que no ano de 2007 possamos continuar crescendo e espalhando boas sementes!!!!Ana Parker

Olá colegas, gostei muito desta sala os relatos de vocês são enriquecedores e como diz a colega Ana Parker amamos o que fazemos(ensinar).Eu amo o que faço e não costumo parar diante dos obstáculo porque como dizia Paulo Freire eles não se eternizam.Este espaço só para depoimentos é ótimo está de parabéns quem pensou e criou ele.Gostaria de compatilhar com vocês um pequeno depoimento: no final do ano letivo levei meus alunos para o zoológico para que encerrar as atividades, muitos deles nunca tinham ido ao zoo.Gurias foi ótimo ver aqueles pequenos olhando os animais encantados com tudo,observando e perguntando sobre tudo.Foi uma experiência maravilhosa melhor do que qualquer aula de ciências, tenho certeza que meus alunos(agora ex-alunos) jamais esquecerão e eu também não.Sabe colegas acho muito triste aqueles professores que não tem ânimo para nada, não levam sequer seus alunos à um passeio, pois dizem que lugar de aluno é na sala de aula.Ou então alguns que ficam reclamando de tudo, olhando sempre para as adversidades e deixando o comodismo tomar conta.Ainda bem que percebo profissionais diferentes que não se intimidam com desafios, mas buscam lutar contra correnteza e certamente o curso de Pedagogia da UFRGS tem nos proporcionado nova visão sobre a educação.Foi ótimo participar com vocês deste espaço. janelamera.blogspot.com-Pólo de Gravataí

Olá, colegas!

Sou a Marta Capistrano do pólo Gravataí

Tentei deixar minha contribuição na sala ALFABETIZAR , mas ela se recusa a editar, pelo menos eu não consegui. Lá as colegas falavam de suas experiências ao alfabetizar e do prazer que é ser alfabetizadora.É claro que dá muito trabalho ao profissional, mas é a etapa que mais gratifica o ser educador pelo processo individual e coletivo que acompanhamos e apoiamos. Pela riqueza das descobertas do aluno e do professor, penso que todos os todos professores deveriam passar por esta experiência de construção cognitiva,social,afetiva e pela continuidado do processo de leitura do mundo que cerca a criança e a sociedade em si, pois muitos colegas não tem eesta percepção de alfabetização e de processo de construção do conhecimento que inicia mesmo antes da vida escolar e nós precisamos dar continuidade.Penso que dentro desta categoria profissional há distinção entre SER professor e educador e uma habilitação especialíssima é ser ALFABETIZADOR.5.jpg