Recent Changes

Friday, October 14

  1. page Aline V. Leal edited Oi, eu sou a Aline Veloso Leal, tenho 28 anos, moro em Portão, município em que sou nomeada 20 hor…
    Oi, eu sou a Aline Veloso Leal, tenho 28 anos, moro em Portão, município em que sou nomeada 20 horas, porém estou em Licença Interesse, poi tenho um lindo Guri que se chama Enzo, então optei por usufruir deste benefício durante um ano e 6 meses. Também sou nomeada 20 horas no Estado, onde trabalho com classe especial (crianças com deficiência mental), no município de Montenegro....
    (view changes)
    4:57 pm

Thursday, December 11

Tuesday, December 2

  1. page poacorumba edited Bom, ...se é para contar ... [dia 24] [dia 25] [dia 26] [dia 27] Dia 24: {poa.jpg} Porto Aleg…

    Bom, ...se é para contar ...
    [dia 24] [dia 25] [dia 26] [dia 27]
    Dia 24:
    {poa.jpg} Porto AlegreA mala ficou um monstro. Tão pesada que não consegui descer as escadas com ela. Tive que chamar alguém maior que eu. O estranho é que não estou levando muita coisa. Tentei colocar tudo na mala para não ter de carregar mais nada além da minha mochila e do travesseiro de estimação. Considerando que só temos dois braços e um pescoço, esta providência é importante. Cheguei cedo na rodoviária e passei no guichê da flecha bus para conferir as passagens e receber uns pilas que haviam cobrado á mais.
    Despachada as tralhas e já no ônibus, descobri que o meu tão escolhido e conferido lugar não era o que eu havia marcado. Reclamei e, como havia muitos lugares vazios, pude sentar num banco sozinha :))
    A viagem iniciou tranqüila. Eu otimista: afinal serão somente 12 horas e eu vou dormir quase todas. Uma galera de estudantes de Porto Alegre, indo para um alguma coisa boa em Curitiba, tagarelava alegremente. Paramos em Tubarão para um lanche e ... foi aí que começou o martírio.
    {bus.jpg} busChamar um ônibus de "leito" se situa entre a gozação e a perversidade. Os critérios para definir "leito" são muito flexíveis, mais ou menos como a questão da empregabilidade, hoje. Isso torna qualquer coisa que pareça vagamente com uma poltrona e que possa se inclinar em qualquer ângulo maior que 90°, uma cama.
    Em caso de necessidade, levantar de tal leito significa rastejar de debaixo do "leito" do passageiro da frente, que paira à uns cinco centímetros da nossa barriga. Para quem está sentado na janela é impraticável. Possivelmente, você seria acusado de assédio sexual.
    Depois de viajar num destes ônibus "leito" eu fico imaginando o que seria o "semi-leito" oferecido pela embroma bus. Estas coisas não têm janelas, pelo menos alguma que abra. Acredito que possa funcionar como submarino em caso de guerra. Em pouco tempo, com ou sem ar condicionado (outro eufemismo), aquilo vira uma incubadora perfeita para qualquer tipo de bactéria ou vírus.
    Quarenta estranhos dormindo juntos é uma coisa aterradora, nestas circunstâncias. Perto demais, uma intimidade sem escapatória. Roncos, gemidos, puns! Fumantes se esgueirando para o banheiro. Quando o sol apareceu fraquinho, já fazia tempo que um pensamento mesquinho se infiltrava: "Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço?"
    d25
    Dia 25:
    {poactba.jpg} Curitiba é mesmo uma linda cidade. Faço estes comentários porque foi possível passear por lá, graças a incompetência da conto-do-vigário bus, que não reservou minha passagem para Corumbá e, ainda por cima, quase me remete para Cuiabá.
    No último minuto notei o êrro na passagem. Resultado: vaguei pela rodoviária, em vão, na busca de passagem. À custo consegui passagem para Toledo, num ônibus que sairia às 18h:30min.
    A idéia era tentar chegar de algum jeito à Corumbá, conseguindo algum transporte a partir de Toledo. Quando a desgraça é certa, o negócio é rir dela. Pelo menos isso dá alguma dignidade. Claro que amaldiçoei o pessoal da piada bus até a quinta geração.
    Pior que na pressa de me livrar da mala para ir almoçar, andei depressa demais num lugar que não combina muito com malas. A escada rolante. Bem no meinho dela, resolvi virar para trás e... crash! A escada levou a mala, que levou me levou. Só não foi um strike porque não havia ninguém abaixo. Só um monte de gente ao pé da escada rindo, é claro. Um atento funcionário desligou a escada assassina e eu pude recolher meus pertences e os cacos da minha elegância.
    Por pura auto-piedade decidi almoçar no Santa Felicidade à preços parisienses e passear até a hora do embarque.
    Caminhei, visitei praças, feirinhas, olhei vitrines e escolhi um restaurante com mesas na calçada para almoçar. Cerveja! Mais precisamente, meu último vício: Leffe, três garrafinhas. Nada como tempo sobrando. Brindei aos amigos, aos conhecidos e aos desconhecidos, também. Brindei quase o mundo todo, com excessão da folgada bus.
    E, depois, continuei a andar. Tarde quente e bonita, mas, umas dez quadras depois, o entusiasmo já não era o mesmo. Cheguei numa praça, muita sombra, mas bastante vazia. Apenas umas poucas pessoas perto de um pequeno prédio se movimentavam preparando o que, depois descobri, seria uma festa.
    Sentei no gramado à sombra das árvores. Vento suave, passarinhos calados e, em poucos minutos peguei no sono. ... Quando acordei, já havia uma pequena platéia me observando com curiosidade. Sentei logo, antes que um dos cachorros levantasse a perna em mim.
    A festa estava iniciando. Uma pequena feira, músicas típicas, famílias inteiras acampadas. Mas nem deu para aproveitar. Tem um ônibus me esperando... {toledo.jpg}
    Realmente, era o último ônibus e o último lugar vago.... Meu banco era o último e eu correria, se fosse possível pegar a janela. Mas corredor é tão estreito que não admite ultrapassagens. Quando sentei. a porta do banheiro abriu e quase acabou com os meus dentes para sempre. É... havia uma comunicação direta daquele assento com a porta do banheiro. Cada vez que eu levantava e sentava, ela abria. Assim, em pouco tempo, eu já estava íntima da maioria dos passageiros. Lá fui eu, de noite e de óculos escuros, tentando não ver os detalhes sórdidos da paisagem. Viagem tranqüila apesar do ônibus.
    O Hotel que era para ser pequeno e semi-deserto se materializou como um dos abrigos de uma convenção internacional de bombeiros. Saguão lotado, gente saindo e gente entrando, mesmo com o adiantado da hora.
    Consegui pegar minha chave e subir para o quarto. Banho...Banho...Banho... era o meu mantra enquanto arrastava o malão como quem puxa um São Bernardo pela coleira.
    Surpresa... me colocaram num quarto enorme, daqueles com 4 camas.
    Deixa pra lá. Banho...Banho...Banho...
    Abri a mala, espalhei um pouco as coisas e fui direto para o chuveiro. Banho tomado, fui separar a roupa para a viagem. O ônibus para Corumbá sai às 10h amanhã, mas quero sair cedo
    Mas, ... eis que a chave gira na porta e eu congelei sentada na beira da cama. A porta se abre e 4 milicos fardados me encaram.
    Pronto, ... vieram me buscar. Devo ter esquecido de preencher alguma nota lá no CM. Delírio...
    Eram 4 bombeiros chilenos que estavam voltando do jantar. Pensei estar diante dos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro do calendário do esquadrão. Setembro, outubro e novembro eram magnificamente de 1985 e o dezembro, dezembro de 1945, certamente dormia no vinagre.
    - ésta es mi cama... – me acusou um.
    - não, é minha! – retruquei eu com toda a dignidade que um pijama de girafas verde pode permitir.
    - és mia. Mire el zapato debajo de la cama. - insistiu ele.
    Era dele... A estas alturas eles já tinham entrado no quarto e um deles (o comandante do pelotão) abriu o armário para ver se as fardas estavam lá. Estavam! E eu só pensando naquele paraqueda estendido no banheiro, uma versão G da calcinha da Bridget Jones.
    -Vamos resolver isso lá embaixo - desviei eu, quando um deles ameaçou entrar no banheiro.
    Na saída, vimos o pandemônio nos corredores. Certo que não foi só aquele quarto que foi passado para dois (!) hóspedes. A multidão rumava para o saguão...
    Uma meia hora depois, com direito a muito bate-boca, acertaram os alojamentos. Eu já estava vendo a hora que um Coronel da Brigada ia por todo mundo em forma.
    Porém, não subi para o quarto sem assistir a última da noite. Uma senhora indignada reclamava no balcão. Se eu entendi bem ela estava reclamando porque o quarto dela era o único que não tinha bombeiros.
    Boa noite!
    d26
    Dia 26
    {Teatro_municipal_toledo.jpg} teatro municipalA {DSC01495p.jpg} lvorada! Acordei cedo, para poder dar uma olhada na cidade que ainda não conhecia. O dia está bonito e vai ficar bem quente. Toledo é uma cidade nova, numa região que nos anos 60 ainda era pouco populosa. A cidade se desenvolveu com base nas comunidades agrícolas.
    Passei por algumas ruas da cidade próximas ao hotel e conheci o que o Teatro Municipal de Toledo que, guardadas as proporções, se parece um pouco com o Opera Bastille em Paris.
    (a imagem de Toledo é da wikipedia, a de Paris é minha)
    Pontualmente às 10h o onibus saiu. Desta vez sem surpresas. Lá vou eu rumo a Dourados.
    Conheci Dourados durante um Jogos da Amizade, acho que foi em 1999. Chegamos na cidade a noite e não pudemos passear muito. A minha lembrança maior foi que fiquei para trás na hora que os onibus partiram. Consegui ligar para uma das colegas que estava no onibus. Uma proeza porque os telefones celulares eram aqueles tijolões que só ligavam quando bem entendiam. Tive de pagar o mico de fazer os 3 onibus voltarem. O lado bom foi que ganhei uma rodada de chopp com batatinhas no bar :))
    16h >> Dourados, parada para um lanche!
    O onibus era ligeiramente melhor que os anteriores e eu aproveitei para relaxar e olhar a paisagem. Até Corumbá são 7 horas de Viagem e vamos passar perto de Bonito à noite. Pena!
    23h >> Chegada à Corumbá (Hotel sem bombeiros ou assemelhados)
    d27
    Dia 27
    {271795862_6248c56381.jpg}
    (foto CC do Flickr)
    Já estou em Corumbá. Agora é dar uma passeada e esperar o povo chegar!
    15h >> voltei para o hotel para ver o jogo do Orlando Magic x Philadelphia 76ers!!!! Alguém aí gosta de Basquete?
    O oniibus partiu exatamente na hora. Milagre!
    Mesmo com toda a confusão em relação aos lugares. Os que não sabiam da disposição dos assentos foram pegando os seus preferidos. Em pouco tempo o pandemônio estava formado.
    Mas tudo se resolveu na boa. Parfece que a única baixa foi um ursinho de estimação que alguém sentou em cima.
    Agora, seguimos alegremente pela estrada, deixando Corumbá.

    (view changes)
    8:33 am

Saturday, November 29

  1. page alicefala edited É um mistério para mim a minha existência. Teve um tempo em que achei que havia um propósito e que…
    É um mistério para mim a minha existência. Teve um tempo em que achei que havia um propósito e que só faltava eu descobrir qual era...
    Desisti.
    Procurar nos outros a minha definição só me assusta. Porque não tem eco, não tem resposta.

    (view changes)
    4:10 pm
  2. page Suzan Pereira David edited Eu, Suzan Pereira David, sou professora de 2ª série da rede municipal no município de Sapiranga.…

    Eu, Suzan Pereira David, sou professora de 2ª série da rede municipal no município de Sapiranga.
    Sou mãe da Luciana e do Alexandre, filhos mara vilhosos.
    Sou pisciana, guerreira, idealista, adoro dançar.
    Mas sou, principalmente, ciente de meu papel como professora educadora dentro da sociedade.
    Estou realizada na profissão que escolhi, pois
    Um corpo não existe nada mais belo que ser educadora.
    Sou uma "sonhadora" romântica, sempre tento ouvir a mùsica de minha alma, ela me traz paz, alegrias e afasta o desânimo decorrente da rotina de ser professor.
    O professor educador e seus discípulos estão ligados por laços de amor e devemos estar sempre atentas para que esses laços jamais
    se rompam porque depois que o encanto se foi, nada mais será a mesma coisa.
    Ser educador
    escolhe... é ensinar a ver, compreender o invisível. Nossa tarefa é ensinar a usar os instrumentos e as ferramentas para produzir conhecimento e felicidade.
    As coisas que acontecem e
    algo que nos tornam imprescindíveis éparasita, embora possa parecer o sentimento de solidariedade.contrário.
    (view changes)
    4:07 pm
  3. page alice edited ... Alice {72047120_e86f011d39.jpg} ... atrás de sus seus olhos, escondida A Alice que os…
    ...
    Alice
    {72047120_e86f011d39.jpg}
    ...
    atrás de susseus olhos, escondida
    A Alice que os outros vêem é magrinha e sem graça, tem cabelos rebeldes e compridos e ...
    Mora em Porto Alegre, a cidade abismo, onde tudo se acha e se perde.
    Muitas vezes Alice fica só e o silêncioMorar atrás dos olhos não é o intervalo em que ela pode pensar. Pensando em mim,de todo ruim. É como estar na torre de comando de uma simples professorinha que, um dia, também se sentiu predida.nave. Dá uma certa ilusão de distância das coisas. Uma certa segurança. O que vem do outro não bate diretamente. E é desde aí que Alice olha o mundo e pensa.
    (view changes)
    4:07 pm

Friday, November 28

  1. page home edited ... de wikistórias. PginaNova Entre numa das histórias abaixo ou edite esta página adicionan…
    ...
    de wikistórias. PginaNova
    Entre numa das histórias abaixo ou edite esta página adicionando o link para a sua história no final da lista numerada.
    Para adicionar uma nova história:
    (view changes)
    1:53 am

Thursday, May 3

  1. page PginaNova edited {10717.jpg} p´k6-k6-pky6-k-ek7e5-7k
    {10717.jpg} p´k6-k6-pky6-k-ek7e5-7k
    (view changes)
    10:42 am
  2. page home edited ... de wikistórias. PginaNova Entre numa das histórias abaixo ou edite esta página adicionando…
    ...
    de wikistórias. PginaNova
    Entre numa das histórias abaixo ou edite esta página adicionando o link para a sua história no final da lista numerada.
    Para adicionar uma nova história:
    (view changes)
    10:41 am

More